caderno-de-cinema

Home » Artigos » ACM e a política cultural

 

Por Aninha Franco

(publicado no Correio da Bahia)

 

Até os anos 1950, quando Mangabeira e Edgard Santos criaram as escolas de Arte na Bahia, a produção artística e o entretenimento eram práticas amadoras. Salvador não dispunha de bons espaços para a recepção. Espectar era desconfortável. As escolas de arte fomentaram a profissionalização artística e a inauguração de espaços, como o Vila Velha, que lançou carreiras musicais e cênicas, o Castro Alves e o Acbeu.

O contato com os mestres das escolas impulsionou criadores e criações, mas inexistia infraestrutura profissional, indústria fonográfica, polo de cinema, produção teatral, e os criadores migravam em busca de trabalho e sobrevivência. Nos anos 1970, a política cultural de ACM iniciou a criação dessa estrutura, mas, a partir de 1983, ela sofreu quebra de continuidade por oito anos e, em 1979, perdeu João Augusto, uma espécie de bússola da vida intelectual da cidade.
 Sua morte e oito anos sem políticas culturais podem elucidar o vazio produtivo da primeira metade dos anos 80, recuperados com a axé music, em 1986; com as produções cênicas de Dourado, Guerreiro e Franco, de 88 a 90; com o cinema de Navarro e outras culturas produzidas por artistas.

Em 91, quando ACM volta ao governo, a situação era de “passado o Carnaval, Salvador entra em trevas profundas em se tratando de acontecimentos artístico-culturais” (Beauvoir, 1990). A volta de ACM, que  se prolongará até 2006, com vários gestores, retomou a construção da profissionalização cultural na cidade.

Entre março e dezembro de 1991, não aconteceu nada. Em entrevista, Buriti me declarou que, durante seis meses, esperou a chegada de projetos e artistas, mas não apareceu ninguém. As relações entre criadores e governo estavam deterioradas por falta de uso, já que política cultural foi uma prática quase exclusiva das gestões carlistas.

“Em 1991, a autoestima de Salvador estava abaixo de qualquer nível. Por isso, na chegada, foi feito um trabalho de recuperação da autoestima, do orgulho de ser baiano, das Coisas da Bahia, com Daniela Mercury, Brown, gastronomia de Dadá, Nizan, Duda Mendonça, Sérgio Amado e Patinhas, publicitários baianos, processaram a baianidade” (Gaudenzi, 2005).

E,  já em 1992, a baianidade havia voltado a relevar o Estado e começado a equilibrar suas contas com o turismo. ACM era o garoto-propaganda do projeto. Em janeiro, um ônibus com turistas argentinos foi assaltado. O governador exonerou o secretário da Segurança, desculpou-se com os assaltados em Ondina e assumiu os prejuízos. Com isso e outros aquilos, em fevereiro, ACM tinha a aprovação de 71% dos baianos. Em março, a aprovação subiu para 91%. E o Ibope mostrou, também, que 74% dos baianos confiavam mais em ACM do que na Igreja e na Justiça.

Jorge Amado foi homenageado em seus 80 anos com exposições, prêmios, publicações, condecorações e um show no Largo do Pelourinho. O Quarteto de Madeiras da Orquestra Sinfônica da Bahia se apresentou no Ilê Axé Opô Afonjá. Jovens atores baianos integraram o cast das novelas globais. E foram criados projetos para todos os gostos: Palco Bahia; Viva Esta Festa; Temporada de Verão; Festi´n Bahia, que apresentou o mangue beat ao Brasil; Terça da Boa Música; Cantos e Encantos no Abaeté, Domingo no Abaeté, shows ao meio-dia na Praça Quincas Berro D’ Água; Sua Nota É um Show; e o Julho em Salvador, que seduziu artistas como Nehle Franke a mudar de endereço: “Foi a primeira vez que vi Salvador, e a cidade estava repleta de espetáculos. Fiquei impressionada e me mudei pra cá” (Nehle Franke)

As lambaterias paulistas substituíram o ritmo que lhes deu o nome pelo axé. Daniela, Chiclete, Olodum, Ara Ketu, Brown, Ilê Aiyê, todos sediados em Salvador, rapidamente se internacionalizaram dentro da nova ordem de sair, trabalhar e voltar pra casa.

E  em 1992 todos reverenciaram o teatro baiano. A Academia de Letras realizou um seminário sobre o ‘renascimento artístico’ da cidade, inclusive do teatro, cotejando o momento com a Era Martim Gonçalves. Mas era mais importante. A imprensa comentava, através de suas múltiplas bocas, “o novo vigor do teatro baiano” (Baptista, 1992) em “dias tão profícuos quanto a população de cangurus na Austrália” (Brito, 1992), e “a festa num fim de semana, com nada menos do que 12 espetáculos em cartaz. Cinco com presença obrigatória, pela excelência” (Rosa, 1993). Mas, para além dos louros, os artistas tinham público, os artistas tinham trabalho. Era a profissionalização.

Em 1993, o Pelourinho foi retomado da degradação, promessa de campanha. Também em 93, reinaugurou o TCA que, em 1991, estava degradado. Foi esperado por uma multidão na entrada do teatro e recebeu convidados de todo o país.

Sem o benefício da reeleição, ACM concorreu ao Senado e Paulo Souto tornou-se governador, criou a Secretaria de Cultura e Turismo, sob o comando de Paulo Gaudenzi. Os projetos se multiplicaram. E os resultados também. Humano de tímpanos pacientes e namorador incorrigível, Gaudenzi amigou-se aos artistas e inaugurou ou reinaugurou dezenas de espaços para a profissionalização. E o teatro se tornou um trabalho como os outros.

De 1991 a 1996, a Secretaria investiu nos filmes Tieta do Agreste e Canudos, argumentando que os filmes divulgariam a Bahia e atrairiam turistas. Os cineastas gritaram. Gaudenzi premiou a classe com um mecanismo de renúncia estendida que funciona até hoje. No dia nacional da cultura, em 1997, Gaudenzi lançou a Lei do FazCultura, ao lado do ministro Weffort,  e anunciou a criação dos selos Letras da Bahia de literatura e Sons da Bahia de música.

Dos 38 álbuns mais vendidos pela Polygram no planeta, em 1997, todos com vendas acima de um milhão de cópias, quatro eram brasileiros e três eram os baianos É o Tchan, Banda Eva e Netinho.
Produções locais lotaram o TCA: “É curioso e importante dizer que, desses grandes espetáculos, alguns baianos, A Bofetada, Noviças Rebeldes, Três em Um e Os Cafajestes, conseguiram estar lado a lado, em frequência, com os melhores do país” (Queiroz, 1997). Em 1997, o PIB da cultura na Bahia era de 4,4%, maior que os 3% do turismo, envolvendo quase 85 mil baianos em atividades culturais. 

Em 1999, Humberto Braga, da Funarte, detectava que “o Brasil está mudando o seu desenho de produção artística. Hoje eu sinto que não existem mais os polos principais. Há, sim, muitos polos teatrais importantes em vários estados, e o da Bahia é um dos mais fortes” (Braga, 1999).

Era. No século 21, a Bahia poderia ser um dos polos culturais do Brasil. Mas, em 2002, quando os artistas acharam que tudo estava resolvido, a Bahia perdeu a parceria federal da cultura, apesar do ministério Gil. A migração voltou a levar os jovens talentos para o Sudeste e, entre 2007 e 2014, a profissionalização escorreu pelo ralo. Evaporou como se nunca tivesse acontecido, é verdade. Mas a infraestrutura continua de pé. E nós estamos vivos.

 

8 Comentários...

  1. Maria Fernanda Diniz disse:

    Tudo que está senhora quer é resgatar a teta carlista que perdeu !!!!

  2. breno silva disse:

    Esse artigo me da ansias de vomito. A intervenção do carlismo na cultura iniciou o processo de destruição do que havia sido feito de promissor culturalmente nas decadas anteriores, destruição esta continuada pelo PT, e pavimentou a estrada que descambou no desolador cenario atual da cultura Bahiana, ja na gestão petista. O fato de ACM ter criado condições estruturais favoraveis a alguns setores da cultura Bahiana não pode esconder o fato da exigencia do alinhamento automatico dos artistas com a visão oficial de baianidade de então, que era pre-requisito para se usufruir das benesses oficias. Se o “artista” não se excaixava nesta “baianidade” de propaganda da Bahiatursa, ele era automaticamente excluido, mesmo que politicamente o “artista” não fosse alinhado ao Pt, PCdoB, ou até mesmo ao PQP. Bastava não se enquadrar. BUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU Aninha Franco. O carlismo iniciou e o petismo acabou de acabar.

  3. […]  leia o artigo de Aninha Franco http://cadernodecinema.com.br/blog/acm-e-a-politica-cultural/ […]

  4. fabricio ramos disse:

    Na prática, a autora professa a nostalgia de um tempo em que um punhado de comerciantes e industriais podia se dizer possibilitador ou dono da “cultura e da arte”, institucionalizadas como mercado e turismo. Ao carlismo, enquanto controlador do Estado, cabia o controle da cultura, realizando transações de mercado e de publicidade em vez de políticas públicas, favorecimentos em vez de democratização, reafirmação das práticas do clientelismo e do autoritarismo em vez de estímulo à arte independente. O carlismo, em seus efeitos, suprimia o artista para melhor controlar a “arte”, favorecendo, claro, os artistas que o auxiliavam nessa “tarefa”.

    Entretanto, um texto como esse de Aninha Franco não teria sequer sido possível se, em oito anos de governo do PT, a cultura e a arte fossem consideradas como algo importante na esfera das políticas públicas no Estado (mesmo tendo em conta os intermitentes editais, importantes, mas também frágeis ações de governo que não se consolidaram). O mais trágico, além do espaço que se abre para textos reacionários de campanhas de última hora, é que as reações mais animadas contra eles só ocorrem em vésperas de eleições, e se valem sempre do nome de alguém ou de algum partido, sempre expressando alguma urgência eleitoral cujas justificativas sequer aparecem claramente. Não participa da discussão, necessariamente, a necessidade de fortalecimento e ampliação de políticas públicas mais consequentes em torno da arte.

    Nesse sentido, o texto de Aninha Franco, embora interessado e reacionário, é um sintoma verdadeiro – e talvez necessário – do atual cenário político e cultural na Bahia. É quando a disputa eleitoral sequestra a arte, desfigurando-a, explorando-a, extorquindo-a, corrompendo-a e violentando-a.

    Penso que – e isso devia valer para Aninha Franco, mas também para os seus críticos – um artista decidido a desempenhar seu papel, diante das precariedades tão bem conhecidas do país e especialmente da Bahia, deveria pôr em alerta o senso crítico, em vez de buscar apenas facilitar a própria vida, tendo sempre o cuidado de não cruzarmos a incerta fronteira que separa a “moral” do moralismo.

  5. Humberto Sampaio disse:

    Cassinha, leia de novo e, dessa vez, procure tirar do seu olhar o espectro ideológico. O texto, nem de longe, vincula o Turismo à Cultura – somente compara o PIB de um ao outro, no período que a atividade cultural profissional começou a deslanchar no estado e cita a criação de uma secretaria que unia as duas atividades.
    O artigo vai além. Ele denuncia a morte da produção cultural profissional na Bahia, ceifada pela inanição imposta pela nova política estadual para a Cultura, e expõe o reflexo disso.
    Convenhamos, é inegável o declínio da atividade cultural no estado, com graves prejuízos para os profissionais da música, do teatro e da produção cultural com um todo. E é só disso que o texto trata, ao tempo em que resgata um pouco do que ocorreu no passado recente, pra ver se as pessoas se tocam e entendem o quanto perdemos nos últimos oito anos.
    O texto também não critica o apoio às manifestações de cultura popular – tão valorizada pela turma de Márcio Meirelles e de sua eminência parda e substituto, Albino Rubim. Apenas mostra que os profissionais da cultura, ficaram em segundo plano pelo novo modelo de gestão cultural implantado no estado.
    Por isso mesmo eu parabenizo Aninha Franco pela lucidez e isenção.

  6. JOSELITA SANTANA disse:

    Pelo que entendi o governo tem que patrocinar artistas? è isso ? Promover a cultural local dar condições a quem faz e mantem a cultura local, de sua região não é necessário nem preciso? Então o governo financia a “cultura” os “artistas” cobram ingresso… não entendo,

  7. Cássia Cardoso disse:

    Que maneira mais antiga e equivocada de analisar a cultura. A velha forma de vincular a cultura ao turismo.

  8. ribas disse:

    blz aninha

    saudades de vc na tarde

    ribas

Deixe um comentário