caderno-de-cinema

Home » Filmes » Canudos não morreu!

 

 

Produção de Moisés Augusto

fotografia de Vito Diniz

Roteiro de Jorge Alfredo

Direção de Pola Ribeiro

Bahia, 1996

Captura de Tela 2014-11-15 às 06.28.20

Manuca Almeida

 

SEQUENCIA 1

(O ABOIO)

Exterior – Dia

Locação – Pedreira do Sítio do Tomaz (Uauá)

 

CENA – 1 – O ABOIO

1 – O “grito” do vaqueiro de bode (JOSA DO FELICIANO)

 

“ê, êee, ê

u, u, uuuu

ê, ê, êee

booode

ê , êee

cabra”

 

2 – O aboio sinfônico

 

“ô, ôooo, ô

vou pela estrada

está faltando chão

pra minha boiada

ô, ôoo”

 

CENA – 2 – AS CRIAS, OS UMBUZEIROS E O VERDE EXUBERANTE DA CAATINGA

LOCAÇÃO : Sítio do Meio – 12 km da sede. Seu Adalberto. Dilson, o vaqueiro

(plano 1) – zoom-out vindo dos movimentos desordenadamente harmônico do ir e vir do rebanho seduzido pelos sons guturais do aboio do vaqueiro.

(planos 2 e 3) detalhes das crias em movimento (patas, dorsos)

(planos 4) – o rebanho emoldurado por umbuzeiros

OBS ; AS CENAS 1 E 2 SERÃO ALTERNADAS ATRAVÉS DA MEIA FUSÃO E O “GRITO” DO VAQUEIRO MIXADO COM O ABOIO SINFÔNICO DE LINDEMBERG CARDOSO

Captura de Tela 2014-11-15 às 06.27.52

Basílio da Mata Virgem

 

CENA 3

(plano único) – TRAJETORIA DA CÂMERA EM GRUA

A Câmera vem do rosto do vaqueiro

         invertendo a inclinação para plongê e descortinando uma paisagem

         desolada em torno do vaqueiro. Destoando do verde exuberante em

         fusão com o azul do céu e revelando que tudo não passa de um delírio

         música incidental ponteia o isolamento, a perplexidade e a solidão de

         um pastor sem rebanho.

 

CENA 4

(plano 1) clouse-up do vaqueiro

(A MÚSICA PÁRA, O ABOIO ESTANCA)

 

(plano 2) Movimento em zoom-out ampliando o plano anterior e

descortinando ao final da abertura da grande angular, em primeiro

plano Leão de Natuba

 

LEÃO DE NATUBA

         CENA 5 – (continuação da cena anterior) plano conjunto

Fala de Leão de Natuba olhando para a câmera e tirando as últimas

notas da sua velha tuba.

 

“SALVE SALVE CANUDOS

ROGA A DEUS Ó MARIA

BENZE O POVO E ELEVA

CRISTO É O SEU GUIA”

 

Mudando o tom da voz

 

“A COMUNIDADE CONVIDA

VOSMECÊ PRA REUNIÃO

 

CENA 6  O VAQUEIRO VAGA POR CAMINHOS

                        TORTUOSOS , E COM PASSOS FIRMES

                        AVANÇA CÉLERE POR ENTRE PADEDÕES

                        RESSEQUIDOS. COM A VOZ PAUSADA DIZ

                        EM TOM PROFÉTICO:

(plano 1) perfil

“DEUS ESTA NO SOL QUENTE CAUSTICANTE

NAS CAMADAS SUTIS E ARDILOSAS

NAS CHAPADAS DAS SERRAS ARENOSAS

E NAS CASCATAS DO BOSQUE HORRIPILANTE”

SE OUVE UM GRANDE ESTRONDO. OS ACORDES

                        DA VIOLA EMOLDURAM VOZ EM UNÍSSONO:

 

(plano 2) frontal

“BENDEGÓ

BENDE, BENDE, BENDÉ

BENDEGÓ”

O VAQUEIRO prossegue com o seu aboio alucinado

                        vagando por entre os paredões.

 

CONGELA

 

 

SEQUENCIA 2

         (A FAMÍLIA)

Interior – Dia (exceto a cena 1)

Locação – Casa de Terezo e Zefinha no Sítio do Feliciano

(Uauá)- 40 km da sede

Tempo estimado: 2.30min.

Captura de Tela 2014-11-15 às 06.29.23

texto1 (A MULHER)

 

“TEM DIAS QUE OS MEUS NERVOS ESTALAM

O CORAÇÃO PARTE

SÖ DE PENSAR QUE O QUE FOI CONSTRUIDO

COM TANTA LUTA,

COM SANGUE SUOR E LÄGRIMA

DE MILHARES DE PESSOAS

PODE SER DESTRUIDO POR ESSES DEMÔNIOS”

 

texto2 ( O HOMEM)

 

“CALMA MULHER!

EM TEMPOS DE GUERRA OS AMORES VIRAM RAIVA

OS SONHOS SÃO COMO FLÔRES

QUE PODEM CAIR POR TERRA

A NOSSA VIDA E TUDO QUE CONSTRUIMOS

ESTÁ EM JOGO

SE O PIOR ACONTECER

O NOSSO SACRIFICIO SERÁ UM EXEMPLO

PARA AS GERAÇÕES FUTURAS”

 

 

CENA 1 – MARCO ROBERTO (Muquem) banho de bacia

MOTE – Água pro sertão (música – paródia de “Assum Preto”)

LOCAÇÃO – banheiro externo(rolo 7)- som ao vivo

OBS: Essa cena abre a sequencia da Família.

O canto deMarcos Roberto começa ilustrado

por cenas do cotidiano (GRUA) Externa – Dia

 

 

CENA 2 – MÁXIMO (Muquem) – f40″ dia7- set-11)

MOTE – Reflexão sobre o Movimento em relação ao bem estar da família

LOCAÇÃO – Quarto de sela ( fim do rolo 4 -2.07min.)

rolo 5 – 3.50min + cobertura

 

CENA 3 – ZE DO JARDIM(Jardim,Oiteiro) – f40″- – dia7 –

rolo6 – set7

MOTE – Sobrevivencia no sertão de Canudos

LOCAÇÃO – quarto sem janela, foto pintada, cruz

 

CENA 4 – ROMILDO ( Sítio do Feliciano)

MOTE – A seca

LOCAÇÃO – varanda pra sala – rolo 8 – 4.20min.

 

CENA 5 – ISABEL(Muquem) – fim do rolo 5 set6

MOTE – Memória de Antonio Conselheiro

LOCAÇÃO – quarto de dormir,nicho,Josinha no berço

 

CENA 6 – RAIMUNDA -(Sitio do Feliciano)

MOTE – Comida e luta – 1.35min – rolo 4

LOCAÇÃO – Moendo milho – utensílios – papagaio

 

CENA 7 – ZEFINHA(Sitio do Feliciano)

MOTE – Comida – set2 – dia 7 – 1.35min

LOCAÇÃO – fogão da cozinha

 

CENA 8 – GILDEMAR (Uauá)

MOTE – Migração

LOCAÇÃO – Sala de provisão

 

CENA 9 – BASILIO (Uauá)

MOTE – Soldado do Conselheiro

LOCAÇÃO – sala de estar com várias crianças

Captura de Tela 2014-11-15 às 06.31.52

CENA 10 – JOSA DO FELICIANO (Sítio do Feliciano)

MOTE – O enfrentamento

LOCAÇÃO – Sala de provisão

CENA 11 – DETALHES DO COTIDIANO – 24 ”

Planos que ilustrem os arquétipos e os signos

sertanejos:

LOCACÃO – Sitio do Feliciano e arredores

 

1 – cortando palma – 3″

2 – animais domésticos – 3″

3 – provisão – 3″

4 – indumentária – 3″

5 – objetos decorativos – 3″

6 – cozinha – 3″

7 – quarto de dormir- 3″

8 – sala de estar – 3″

9 – crianças trabalhando

10 – fiadeira de algodão (artesã)

 

RESUMO SEQUENCIA 2 –

8 cenas a serem selecionadas em 5 de 40 ”

1 cena de 8 planos de 3″cada (24″)

total de planos = 16 = 11 min = 33 min (3×1)

aproximadamente 1200 pés de material sensível

Captura de Tela 2014-11-15 às 06.28.55

LEÃO DE NATUBA

Exterior – Dia

Locação – Sítio do Tomaz (Uauá) 36 km da sede

Tempo estimado – 20″

 

CENA 12– Assobiando montado na sua bicicleta ouvindo no

radinho de pilha “DEIXE-ME VIVER” passa diante do  cemitério,onde se encontram 3 mulheres de luto diante  do cruzeiro.Na estrada muitos cabritos, bodes e cabras

 

                  (plano1) –grua, saindo do cemitério, cruzando com moças e   rapazes

(plano2) – grua, cruzando bodes

 

         CENA 13 – Marivalda (Sítio do Feliciano- Uauá)

MOTE – A música nas atividades comunitárias

LOCAÇÃO – sala, costura – 1.45 min + cobertura

 

CENA 14 – IZÍNDIA

MOTE –

LOCAÇÃO

 

CENA 15 – LOURA (Sítio do Feliciano)

MOTE – Movimento de Canudos

LOCAÇÃO – Mesa da cozinha – 1.20min + cobertura

 

 

SEQUENCIA 3

( A REUNIÃO)

Interior – Dia

Locação – Casa de Farinha de Terezo (Sítio do Feliciano)

Tempo estimado:3.00min

 

CENA 1 – A REUNIÃO

 

(plano 1) – A cantoria

(plano2) – detalhes

 

                           CENA 2– O CONVENCIMENTO

( plano1)– PG do interior da casa de farinha onde   está acontecendo a reunião – 20″

(plano 2) – PM de Basílio – 1min.

(planos 3 e 4) contraplanos da reunião

 

CENA 3 – A DECISÃO

( plano contínuo = cabrobode)

DONA ISABEL.CÂNDIDO, ROMILSON, JOSA, MÁXIMO, ZÉ DO JARDIM, LOURA e BASÍLIO

 

                           (plano 1)     LOURA DO FELICIANO

 

” PODE ARDER O QUE ARDER

PODE ATE CORRER SANGUE

MAS NÓS ENFRENTA!

QUE QUEM NOS AJUDA

É MARIA SANTÍSSIMA”

Captura de Tela 2014-11-15 às 06.30.52

(plano2 )   ZE DO JARDIM

 

“A GENTE AQUI VEVE COMO OS PREAZINHOS,  VEVE…DEBAIXO DOS GRAVATÁS, DOS  XIQUE-XIQUES E DAS MACAMBIRAS. NÃO TEM COMO SOBREVIVER. VEVE DO PREÁ, VEVE DOS BODE E SE CERCAREM NOSSA TERRA COMO É QUE VAMO SOBREVIVER?

 

(plano 3)    JOSA DO FELICIANO

 

“DERRUBA!

QUE O NOSSO BISAVÔ TEM UMA CAPOEIRA

AQUI POR ESSAS BANDAS”

 

(plano4)      GILDEMAR DE UAUÁ

 

“DESPERTA CANUDOS

QUE É TEMPO DE BATALHA

NÓS TEMOS É QUE MORRER DE BALA

MAS NÃO DE FOME!”

 

(plano5)     ISABEL DE MUQUEM

 

“OLHEM ESSAS CRIANCAS…

ONDE ELAS VÀO SE ARRANCHAR?

NUM MOMENTO DESSE

TUDO PEQUENININHO

TUDO AÍ PRONTO PRA DERRUBAR JUNTO

COM A GENTE”

 

(plano 6)   MATA VIRGEM

 

“E SE A GENTE NÀO DERRUBAR ESSA CERCA

ONDE A NOSSA CRIAÇÃO VAI PASTAR?

 

CENA 3

LEÃO DE NATUBA.

Externa e interna – Dia

Locação – Sítio do Tomaz (fachada), Saco Fundo (Sinuca)

Tempo estimado – 30 ”

 

“CHEGOU A HORA

DA ONÇA BEBER ÁGUA”

 

dito depois de chegar no bar”Salto da Onça”,

e presenciar alguem encaçapar uma bola de sinuca.

 

 

(plano1) – Chegada ao povoado, estacionamento de  bicicletas

(Plano 2) – Tacada na caçapa(Saco Fundo)

(Plano 3) – Fala de Leão de Natuba

 

LEÃO DE NATUBA

 

CENA 4

         (plano 1) – entra num bar

(plano 2) – balcão do bar

 

“QUEM TIVER MEDO DE MORRER

QUE SE ENTERRE VIVO!

 

CENA 5 – (DE REPERTÓRIO)

(plano1) Leão de Natuba passa pelo Bendegó(Traveling)

(plano2) penteando o cabelo,

(plano3) paquerando no povoado

(plano 4) passa pela moldura da janela e da porta de uma  casa

 

Captura de Tela 2014-11-15 às 06.32.32

CENA 6 -A DERRUBADA DE CERCA

Exterior – Dia

Locação – Sítio do Feliciano(Uauá)

Tempo estimado: 60″

(plano 1) – traveling rente à cerca

                           (plano 2, 3 e 4) – armas brancas(facão, enchada, faca)

                           (Plano 5 e 6) – detalhe do alicate

                           (plano 4) – plongê da derrubada

                           (plano 5) – frontal

                           (plano 6) – contraplano

                           (plano 7) – explosão verbal

 

(A CONFIRMAÇÃO)

Exterior – Dia

Locação – Açúde de Cocorobó

Tempo estimado – 3.00 min

CENA 1 – A COMUNHÃO

(planos feitos no dia 2 outubro durante a Celebração)

CENA 2 – AS CANTORIAS(idem)

CENA 3 – A CELEBRAÇÃO PELOS MÁRTIRES DE

CANUDOS(idem)

CENA 4 – CAMINHADA (idem)

(plano 1) – GPG do Açude de Cocorobó

(plano 2) – GPG do Alto do Mário

(plano 3) – GPG do Bendegó

(plano 4) – GPG do Rio das Pedras (leito seco)

(plano 5) – GPG do Rio Vaza Barris (leito seco e   árvores floridas)

(plano 6) – GPG da caatinga do Cambaio

(plano 7) – GPG da serra do Piquaraçá vista do Oiteiro

 

LEÃO DE NATUBA (Matadeira)

CENA 6– Fala sobre movimento Popular e memória da guerra

Captura de Tela 2014-11-15 às 06.34.35

CENA 7 – A CAMINHADA

Exterior – Dia

LOCAÇÃO – Estrada Uauá – Caratacá – Bendegó -Alto do Mário, Cemitério e pedreira Sitio do Tomaz

Tempo estimado : 40″

(plano 1) – leito de rio seco

(plano 2) – alto do mário

(plano 3) – descampado de Bendegó

(plano 4) – trincheiras do Cambaio

(plano 5) – passando por Alto Alegre

(plano 6) – chegada ao açude

 

CENA 8 – PERFORMANCE NO AÇUDE

(plano 1) – roda à beira da fogueira

                           (plano 2) -entrando no Açude

                           (plano 3) – fogos de artifício, tochas de fogo e bandeira de Canudos

                           (plano 4)- mãos para o céu

                           (plano 5)

 

CENA 9 – EMERSÃO DE CANUDOS DAS ÁGUAS SANTAS

DE COCOROBÓ

(plano 1)     (Maquete – Estudio)

 

CRÉDITOS FINAIS E FICHA TÉCNICA, SOBRE OS QUADROS T. GAUDENZI

Tempo estimado – 30″

 

       FIM

Captura de Tela 2014-11-15 às 06.35.53

 

 

Deixe um comentário