caderno-de-cinema

Home » Notícias » Henrique Dantas

 

 

FILME BAIANO É O DESTAQUE DE SÁBADO NO CINE FUTURO

Sinais de Cinza, do baiano Henrique Dantas, será exibido dia 30, às 20h30, no TCA

O longa Sinais de Cinza – A Peleja de Olney São Paulo contra o Dragão da Maldade, do cineasta baiano Henrique Dantas, é a principal atração do Festival Cine Futuro, neste sábado (30). O filme, ainda inédito no circuito comercial, será exibido às 20h30, na sala principal do TCA.

O documentário narra a trajetória artística de outro cineasta baiano, Olney São Paulo, nascido em Riachão do Jacuípe e que teve a sua vida destruída pela ditadura militar, que o perseguiu, prendeu e torturou devido ao seu média metragem “Manhã Cinzenta”.

images

“Sinas de Cinza procura dar a dimensão da importância do cinema de Olney São Paulo, assim como, dos absurdos cometidos pela Ditadura Militar na vida desse cineasta caboclo e sertanejo que tinha a idéia de mudar o mundo a partir do seu cinema revolucionário, mas que morreu vítima do longo processo de tortura que sofreu, diante da sua corajosa postura”, define Henrique Dantas.

Desde 2014, Sinais de Cinza segue um roteiro de participações em Festivais e Mostras, entre eles a Mostra Internacional de São Paulo, o Festival do Rio, A Mostra de Ouro Preto, Mostra de Conquista, Feciba, Festival de Havana, Festival de Varsóvia (Polônia), Festival de Trieste (Itália). A projeção no Cine Futuro encerrará a participação de Sinais de Cinza  em mostras e festivais de cinema.

 

Documentário, Cor, Digital
Ano: 2013
Estado: Bahia
Duração: 86 min
Roteiro e direção: Henrique Dantas
direção de Fotografia: Pedro Semanovschi
produção executiva: Henrique Dantas / Mariana Vaz
direção de produção: Marcello Gurgel
montagem: Henrique Dantas / Ilo Alves / Iris de Oliveira
Produção: Hamaca Filmes

SINOPSE: O filme da a dimensão da importância do cinema político de Olney São Paulo, assim como, do absurdo cometido pela Ditadura Militar na vida desse cineasta Caboclo, Olney São Paulo, que tinha a idéia de mudar o mundo a partir do seu cinema revolucionário e que foi assassinado pela ditadura militar.

 

Deixe um comentário