caderno-de-cinema

Home » Artigos » Jipe, o homem que se fez carro

 

 

 

por José Américo Castro

 

E o homem se fez carro. Correu estradas, levantou poeiras, transpôs barreiras e atoleiros, o tempo inteiro a viajar. E o carro estava no homem como o homem estava no carro, “como uma coisa estava na outra”. Jipe era a sua marca e assim o chamavam e assim se achava.

Em passadas largas mudava a marcha, sinalizava, buzinava, dava passagem, acelerava, ultrapassava, se mostrava máquina em toda sua plenitude. Atitude só dele, pelo que me consta e contam.

Nunca dava carona e muito menos aceitava “pois um carro não poderia ir dentro do outro”, explicava. Chegando às cidades obedecia aos sinais do trânsito e quando estacionava simbolizava esse procedimento deixando no local do estacionamento uma caixa de papelão que lhe servia de bagageiro.

Carro estacionado saía de dentro dele o homem que então conversava com as pessoas, em especial com outros motoristas, tomava informações, itinerários a seguir. Diversas vezes a cena se repetiu no ponto de táxi da Praça Rui Barbosa, em Ipiaú e outras cidades da região. Não demorava muito e o homem voltava a ser carro e arrancava estrada afora.

Personalidade folclórica intermunicipal, Jipe transitava nas regiões sul e sudoeste da Bahia, entre Itabuna e Jequié. Sendo um carro dentro do homem só admitia a mecânica automobilística. Equipava-se a rigor e nunca aceitava contrariações.

– Não dizia que andava, mas sim que dirigia; não parava, estacionava; não tinha dentes, mas velas; não possuía olhos, mas faróis; não usava sapatos, mas pneus, e as meias eram as câmaras de ar. Ao beber água dizia que estava abastecendo o motor e se precisasse ir ao sanitário fazia analogia referindo-se ao cano de descarga. E como todo o carro, por vezes precisava “fazer a troca de óleo….! , narra a escritora Adriana Dantas,em seu livro “Itabuna História e Estórias “.

Coube a ela o mais profundo mergulho na história desse extraordinário personagem. Adriana conta que Jipe nasceu em Amargosa e foi batizado com o nome de Afrânio Batista de Queiroz, o qual desde menino era fascinado por automóvel.

“Na porta de sua casa, passava horas admirando os carros que cruzavam as estreitas ruas, podendo diferenciá-los ao mais leve ronco do motor”.

“Alguns desses modelos ele reproduzia em miniaturas feitas com latas e nelas projetava suas fantasias”. Viajava… Dentro dos sonhos iam os carros. ”O carrinho de lata e o menino Afrânio: heróis das próprias aventuras.

A brincadeira infantil, no entanto, foi virando obsessão. Afrânio crescia com a ideia fixa de ter o próprio automóvel. O pai, um simples alfaiate, sabia que não tinha condições de realizar o sonho de Afrânio, mas para se livrar dos insistentes pedidos prometeu que se o filho concluísse o curso primário ganharia o seu objeto de desejo. Afrânio meteu a cara nos livros. Antes de chegar ao objetivo traçado, a sua mãe morreu. Dois anos depois foi a vez do pai.

Órfão aos dez anos de idade o garoto foi morar com uma tia, permanecendo com ela durante sete anos. Quando sua tia morreu Afrânio mudou-se pra Jequié. Trabalhou num hotel, onde sofreu um acidente, batendo fortemente a cabeça. “Ele mesmo atribuía a isso o seu desequilíbrio mental” .

A partir de então o homem se transforma em carro, toma seu próprio destino. “Nas estradas era cumprimentado pelas insistentes buzinas. Passou a usar grandes óculos amarelos (para brisa) e um relógio (velocímetro). Resolveu abandonar o volante (uma tampa de panela) e dizia que era seu pensamento que o levava para onde ele quisesse”.

11214251_10203287373704079_7124878920081268171_n

A escritora grapiúna lembra que Jipe chamava a atenção de todos trajando de maneira incomum: “sobre o peito, como um enorme colar carregava uma placa de metal, onde eram inscritos quatro números. No pulso do braço esquerdo prendia um arame duro deixando a ponta voltada pra cima. Atava sobre a mão direita um pequeno pedaço de espelho”. Com todos esses apetrechos (placa, antena, retrovisor e volante), ele se mostrava como o próprio carro que tanto sonhara.

“Sem moradia certa (ou melhor, sem garagem) vivia sozinho pelas ruas e queixava-se de nunca ter encontrado um bom mecânico. Depois de ter passado um longo período doente, aos 65 anos de idade, foi recolhido pelas Irmãs de caridade ao Abrigo São Francisco de Assis,em Itabuna, onde permaneceu até sua morte.

Antes de morrer, aos 92 anos, Jipe (modelo 1918) foi tema de um vídeo clipe da banda Mendigos Blues, dirigido pelo cineasta ipiauense Edson Bastos. Talvez essas tenham sido suas últimas imagens, seu último depoimento.

O carro e o homem seguem na via láctea, com trânsito livre nas constelações.

 

 

Um Comentário...

  1. Elisabeth Loiola disse:

    Ainda recém formada e trabalhando no Cedin, hoje Sudic, conheci Jipe correndo pela estrada que liga Itabuna a Ilhéus. Sua figura enigmática acompanhou-me desde então sempre a inquietar-me: o que busca com tanta presa esse homem? Sai do Cedin, tornei-me professora da UFBA e a imagem de Jipe continua a me acompanhar. Hoje, muito mais velha, associo sua busca a sonhos de liberdade e não mais a busca desenfreada de algo que ele não sabia. Até hoje, também me perguntava por que personagem tão instigante ainda não tinha recebido a devida atenção de alguém de espírito iluminado.

Deixe um comentário