caderno-de-cinema

Home » Poesia » Mamoeiro azarado

 

 

 

por Jorge Alfredo

 

 

 

 

Eu tentei escrever meu nome

na areia da praia onde, por acaso,

um dia eu fui dormir com o sol.

 

Eu tentei, eu tentei, eu tentei

sonhar com a mesma mosca arrodeando a casa

morcegos e baratas dando gargalhadas

dizer pra aquela louca que ainda é muito cedo

a rede engasga o galho a balançar meu medo

 

Ficar plantado aqui, ficar morgado assim…

 

Meu amor, como é porreta

tirar uma de Anchieta

e escrever sobre o planeta

tudo aquilo que se pensa!

 

O mamoeiro azarado renuncia à vida e come amendoim.

Ficar plantado aqui, ficar morgado asssim…

 

 

foto; Nicia Guerriero

 

Deixe um comentário