caderno-de-cinema

Home » Notícias » Mokambo

 

: Nguzu Malunda Bantu

A estreia nacional ainda não tem data definida, mas Salvador sai na frente e será a única capital do país a ter uma pré-estreia, para convidados, do documentário Mokambo: Nguzu Malunda Bantu, que significa “força da tradição Bantu”, nesta terça-feira, 9, às 19h, no terreiro Mokambo.

O filme idealizado e dirigido pela jornalista Soraya Mesquita retrata a materialidade e a espiritualidade que o povo Bantu disseminou entre nós. “Depois que conheci a história desse povo africano, fiquei completamente impressionada e decidi rodar o filme para deixar documentada a importante história da herança cultural dessa etnia para a identidade brasileira. Queremos mostrar essa faceta fundamental para a nossa formação cultural que, lamentavelmente, o país ainda não conhece”, observa Mesquita.

A inspiração para a realização do projeto veio de Taata Anselmo, sacerdote do terreiro Mokambo, que, na descendência religiosa, é filho de Mãe Mirinha do Portão, neto de Joãozinho da Gomeia e bisneto de Severiano Manuel de Abreu, o Jubiabá. O terreiro, tombado pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), em 2016, é uma referência na preservação e divulgação da cultura Bantu, com o Memorial Kisimbiê – Águas do Saber, premiado pelo IPAC como Espaço de Visibilidade e Manutenção da Tradição Bantu no Brasil.

Mas Taata logo adverte que o documentário não é focado nele. “O que pusemos em evidência foi a tradição étnica Bantu. As pessoas não sabem o quanto essa cultura influenciou nossa identidade. Não sabem, por exemplo, que palavras como caçula, mochila e cochilo são de origem Bantu. Nem que as comidas de dendê e a feijoada também”, ensina o sacerdote.

Herança cultural

 

O documentário tem como propósito reconhecer e ratificar a importância dessa herança cultural. “Os Bantu são os primeiros africanos escravizados a chegar no Brasil, por volta de 1560, os outros só vêm no final do século XVIII. São os responsáveis pela introdução da capoeira, do samba, da culinária e do candomblé”, complementa a diretora.

Produzido na Bahia, Mokambo é uma realização da DPE Produções com patrocínio da Petrobras e traz depoimentos de antropólogos, linguistas e historiadores

 

publicado em A Tarde

Deixe um comentário