caderno-de-cinema

Home » Filmes » Mostra Cinema Baiano século 21

introdução

 

por Jorge Alfredo

No verão de 1993 aconteceu um fato muito significativo para o cinema baiano; mesmo sentindo as fortes conseqüências da interrupção da atividade cinematográfica com o fechamento da Embrafilme, seis realizadores decidiram se reunir na Ilha de Mar Grande para, juntos, criarem um roteiro de uma longa metragem; Moisés Augusto, Fernando Belens, Edgard Navarro, Pola Ribeiro, José Araripe Jr. e Jorge Alfredo. Foram dias intensos e de muita interatividade entre cabeças de diferentes formações em torno de um ideal comum; levar para a tela grande as nuances e matizes, trejeitos e esquisitices dessa gente de ginga inconfundível dos becos e ruas de pedras seculares do Pelourinho; ícone da tradição cultural soteropolitana. Desse encontro surgiu o ainda inédito “Via Pelô”, que no meu entender, desencadeou o movimento de retomada do cinema baiano.

Infelizmente, nossos super egos e a falta de recursos não permitiram que o projeto fosse adiante, mas creio que a partir desse encontro, todos nós, individualmente, mas sempre com a colaboração afetiva e/ou profissional dos outros cinco, intensificamos esse desejo com muita obstinação e conseguimos, juntamente com outros cineastas, realizar nesses últimos anos dezenas de filmes, fazendo com que a Bahia experimentasse um novo ciclo de produção cinematográfica.

Ainda em 1993, Fernando Belens foi contemplado com uma verba da Fundação Rockefeller e realizou o media metragem “Heteros, a comédia”, protagonizado pelo transformer argentino Patricio Bisso, fotografado por Hélio Silva, e grande elenco baiano. Em 1996, numa co produção ZDF (televisão alemã) e Truque, foi rodado em Uauá "Canudos não Morreu", roteiro de Jorge Alfredo dirigido por Pola Ribeiro, produzido por Moisés Augusto e fotografado por Vito Diniz e também "Penitentes", de Joel de Almeida, ambos episódios dos "7 Sacramentos de Canudos".  Sergio Machado, concluindo curso da Faculdade de Comunicação realizou “Troca de Cabeça”, que apesar de realizado em U-matic, contou com um elenco de peso (Grande Otelo, Mario Gusmão, Ruth de Souza). O mesmo acontece com "Paixão e guerra no sertão de Canudos", de Antonio Olavo. José Araripe Jr. estréia com o super premiado “Mr. Abrakadabra!”, com René Persin na fotografia, protagonizado por Jofre Soares, logo depois vem “O Capeta Caribé”, de Agnaldo Siri Azevedo e "Oriki" , de Jorge Alfredo e Moisés Augusto, selecionado pras mostras competitivas do " É Tudo Verdade" e do Festival Internacional del Nuevo Cine Latinoamericano de La Habana, que também fizeram carreiras exitosas em festivais pelo mundo afora. Foi aí que a partir de um edital estadual surgiu o “3 Histórias da Bahia” que juntava 3 filmes curtos de 3 diretores num único filme de longa-metragem e Edgard Navarro realizava o seu único documentário "Talento Demais". A Bahia vinha de um longo jejum de filmes longos e “3 Histórias da Bahia” enfrentou muitos entraves, só ficando pronto em 2001, no mesmo ano em que outros 3 filmes de longametragem também foram lançados; “Samba Riachão”, “Um Vento Sagrado” e “Onde a Terra acaba”.

para quem gosta de números, são 46 longas produzidos na Bahia a partir de 2001.

18 filmes de ficção e 28 documentários

 nesses 14 anos do século 21, nos primeiros 7 anos produzimos 20 filmes e nos outros 7 produzimos 25 (dois ainda em fase de finalização)

ou seja, praticamente  mantivemos uma media de lá pra cá

O que é cinema baiano?

que filmes foram esquecidos neste levantamento?

porque filmes de 52 min feitos pra televisão ficaram de fora?

MOSTRA CINEMA BAIANO SÉCULO 21 

longametragens

 

    1. 1. 3 Histórias da Bahia - 2001 – ficção – 35mm – 96min. (Sérgio Machado, Edyala Iglesias, José Araripe Jr.)
    2. 2. Samba Riachão - 2001 – doc – 35mm – 86min. (Jorge Alfredo)
    3. 3. Onde a Terra Acaba - 2001 – doc – 35mm – 75min. (Sérgio Machado)
    4. 4. Um Vento Sagrado - 2001 /Doc / Betacam / 93 min. (José Walter Lima)
    5. 5. Cascalho - 2004 – ficção – 35mm – 102min (Tuna Espinheira)
    6. 6. Quilombos da Bahia - 2004 -Doc - Betacam -  94min. (Antonio Olavo)
    7. 7. Esses Moços - 2005 – ficção – 35mm – 86min (José Araripe Jr)
    8. 8. Eu me lembro - 2005 – ficção – 35mm -110 min (Edgard Navarro)
    9. 9. A Cidade das Mulheres - 2005 – doc – 35mm – 72min (Lázaro Faria)
    10. 10. Cidade Baixa - 2005 / ficção/ 35mm./ 93 min. (Sérgio Machado)
  1. 11. Brilhante - 2006 – doc – 35mm – 75min. (Conceição Senna)
  2. 12. Agostinho da Silva- um pensamento vivo (2006 – doc – digital – 80min. (João Rodrigo)
  3. 13. Glauber em Defesa do Cinema – 2006 – doc – digital - 100min (Roque Araújo)
  4. 14. Ó Paí Ó - 2007 – ficção – 35mm -110 min. (Monique Gardenberg)
  5. 15. Abdias Nascimento - Memória Negra - 2007 - Doc.- digital - 95 min (Antonio Olavo)
  6. 16. Bombadeira - 2007 /Doc/ HD /75 min (Luis Carlos Alencar)
  7. 17. Tudo isso parece um sonho - 2008 – doc- digital - 150min. (Geraldo Sarno)
  8. 18. Sagrado Segredo - 2008 / Doc /35mm /75min. (André Luiz Oliveira)
  9. 19. Quando nada acontece - 2008 – ficção - digital- 75 min. (João Gabriel)
  10. 20. Estranhos - 2009 - ficção - digital - 100min (Paulo Alcântara)
  1. 21. Pau Brasil - 2009 – ficção – 35mm – 98 min (Fernando Belens)
  2. 22. Filhos de João – O Admirável Mundo Novo Baiano - 2009 – doc – 35mm – 75 min. (Henrique Dantas)
  3. 23. Jardim das Folhas Sagradas - 2010 – ficção – 35mm – 90 min (Pola Ribeiro)
  4. 24. Trampolim do Forte - 2010 – ficção -35mm – 90min. (João Rodrigo)
  5. 25. Antonio Conselheiro – o Taumaturgo dos Sertões - 2010 / ficção / 35mm / 86 min (José Walter Lima)
  6. 26. Quincas Berro D'Água - 2010 – ficção – 35mm – 102min (Sérgio Machado)
  7. 27. O Último Romance de Balzac - 2010 – ficção - digital - 74min (Geraldo Sarno)
  8. 28. Escutando Tom Zé - 2010 - doc - RED4K- 76 min (Jorge Alfredo)
  9. 29. A Pedagogia da Presença - 2010 – doc – RED4K – 73 min. Jorge Alfredo)
  10. 30. O Homem que Não Dormia - 2011 – ficção – 35mm – 100min (Edgard Navarro)
  1. 31. Bahêa, Minha Vida - 2011 - doc – 35mm – 100 min (Márcio Cavalcante)
  2. 32. Capitães da Areia - 2011 – ficção - 35mm - 95 min (Cecília Amado)
  3. 33. Cuíca de Santo Amaro - 2012–doc – 35mm / 75min (Joel de Almeida / Josias Pires)
  4. 34. Pra Lá do Mundo - 2012 – doc – 35mm – 78 min (Roberto Studart)
  5. 35. Trieletrizado - 2013 - doc - RED4K - 76 min (Jorge Alfredo)
  6. 36. A Coleção Invisível - 2013–ficção – 35mm - 89min (Bernard Attal)
  7. 37. Ritos de Passagem - 2013 – animação – 35mm / 98min (Chico Liberato)
  8. 38. Depois da Chuva - 2013 - Ficção, digital, 90min (Cláudio Marques e Marília Hugnes)
  9. 39. Hereros Angola - 2013 - doc – digital - 99min (Sérgio Guerra)
  10. 40. Sinais de Cinza - 2013 - doc - digital - 86 min. (Henrique Dantas)
  1. 41. Breviário do Horror -  2013 - doc - digital - 80 min. (Fábio Di Rocha e Flávio Lopes)
  2. 42. Rabeca - 2013 - doc - digital - 71 min. (Caetano Dias)
  3. 43. Aprendendo a ler pra ensinar meus camaradas -2013 - doc - digital - 84 min.(João Guerra)
  4. 44. Revoada - 2014 - ficção - digital - 80 min. (José Umberto)
  5. 45. Tropykaos - 2015 - ficção - digital - 90min. (Daniel Lisboa)
  6. 46. Travessia - 2015 - ficção - digital - 90min (João Gabriel)
  7. 47. Rogério Duarte, O Tropikaoslista - 2015 - doc - 90min (José Walter Lima)
  8. 48. Jonas e o Circo Sem Lona - 2015 - doc - digital (Paula Gomes)
  9. 49Aos Meus Irmãos - doc - digital (Mateus Damasceno) em produção
  10. 50. Filho de Boi - ficção - digital (Haroldo Borges e Ernesto Molinero) em produção
  1. 51. Abaixo a Gravidade - ficção - digital (Edgard Navarro) em finalização
  2. 52. A Noite Escura da Alma - 2016 - doc. digital (Henrique Dantas)

3 Histórias da Bahiadu

 

2001 – ficção - 35mm - 96min.
(Sérgio Machado, Edyala Iglesias, José Araripe Jr.)

Produtora: Truque
Concurso de Roteiros Cinematográficos promovido pela Fundação Cultural do Estado da Bahia em 1996.
Avant première: junho de 2001 – Multiplex Iguatemi SSA
Distribuição: Casa do Rio Vermelho (Salvador e no interior da Bahia no Circuito Comercial em 2001)

Longa de episódios:
- Agora é Cinzas, de Sérgio Machado
- Diário do Convento, de Edyala Iglesias
- O Pai do Rock, de José Araripe Jr

Sinopse:
Na Bahia tudo acaba em Carnaval. É exatamente isso que acontece nas três histórias, que se dão em épocas distintas, mas que nem por isso deixam de seguir a mesma fatal cronologia. Três viagens aos subterrâneos da Bahia. Três trabalhos de três diretores da nova geração do cinema baiano.

Elenco:
Cyria Coentro, Daniel Boaventura, Fábio Lago, George Vassilatos, Harildo Deda, Ingra Liberato, Jackson Costa, Lucélia Santos, Oswaldinho Mil, Othon Bastos, Ricardo Luedy, Rita Assemany e Sérgio Mamberti.

Ficha técnica:
produção: Moisés Augusto
fotografia: Antônio Luiz Mendes e Hamilton Oliveira
direção de arte: Ewald Hackler, Gílson Rodrigues
música: Ataualba Meireles, Cláudio Kiefer e Graça Ferreira
edição: Mair Tavares

Samba Riachão

2001 – Doc – 35mm – 86min.

(Jorge Alfredo)

Produtora: Truque
Prêmio Braskem de Cinema – FazCultura (BA) 2000
Edital de Distribuição Petrobras 2004
Distribuição: Pandora Filmes
Agencia Nacional de Cinema – ANCINE – nº 5002935 Certificado de Produto Brasileiro – CPB
Avant première: novembro de 2001 – 34º Festival do Cinema Brasileiro de Brasília

Sinopse: O filme retrata a história do samba como tema central da Música Popular Brasileira. através da trajetória do sambista Clementino Rodrigues, o popular Riachão.

Elenco: Riachão, Dorival Caymmi, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Carlinhos Brown,
Tom Zé, Bule-Bule, Armandinho, Cid Teixeira, Clarindo Silva, Eduardo Saphira,
França Teixeira, Guido Guerra, José Jorge Randam, Manoel Canário, Oscar Santana,
Perfilino Neto,Tuzé de Abreu, Antônio Risério.

Ficha técnica:
Argumento e roteiro – Jorge Alfredo
direção – Jorge Alfredo
produtor – Moisés Augusto
Direção de fotografia – Pedro Semanovschi
Direção executiva – Moisés Augusto e Sylvia Abreu
Direção de produção – Taissa Grisi
Direção de arte – José Araripe Jr.
Montagem – Tina Safhira
Direção musical – Jorge Alfredo
Edição de som – Miriam Biderman
Mixagem – José Luiz Sasso
Supervisão de transfer – José Augusto de Blasis

137x204_1_1.07c8764ec917ef2d5060b2fa89886b7ba883da65

Onde A Terra Acaba

 2001 – doc – 35mm – 75min.

(Sérgio Machado)

Produtora: Video Filmes

Sinopse:
Uma análise sobre a carreira e obra do cineasta Mário Peixoto (1908-1992), tendo por base trechos de diários, entrevistas e cartas do próprio Mário Peixoto, fotos de seus filmes e ainda cenas inéditas de um filme inacabado seu.

Ficha técnica:
Roteiro e Direção: Sérgio Machado

(Personagem) Narrador: Matheus Nachtergaele

Captura de Tela 2014-08-05 às 12.59.10

Um Vento Sagrado

2001 /Doc / Betacam / 93 min.
(José Walter Lima)

 

Sinopse; O longa-metragem documental Um Vento Sagrado retrata a vidaeobra de Agenor Miranda, famosojogador de búzios de candomblé. Nascidoem Luanda, no dia 8 de setembro de 1907, o Pai Agenor, ou seu Santinho – como é conhecido – é filho de pai diplomata e mãe cantora lírica. Por volta dos cinco anos, escapou de uma enfermidade desconhecida quando, já desenganado pelos médicos, uma vizinha, filha de santo, convenceu seus pais a levá-lo ao candomblé. A partir daí, foi iniciado pela célebre ialorixá Maria Eugênia Anna dos Santos (Mãe Aninha), fundadora de um dos mais antigos candomblés de Salvador, o Ilê Axé Opô Afonjá. Curiosidade: Um Vento Sagrado é a expressão usada por Agenor Miranda para definir os Orixás, divindades da tradição religiosa Ioruba da Nigéria, do Candomblé do Brasil e da Santeria de Cuba.

Direção: José Walter Lima

Roteiro: Carlos Vasconcelos Dominguez, Walter Lima

FotografiaMário Cravo Neto

Cascalho

2004 – ficção – 35mm – 102min
(Tuna Espinheira)

Produtora: Asacine
2º Edital Bahia 2002
Avant première: novembro de 2004 – 37º Festival do Cinema Brasileiro de Brasília

Sinopse: Adaptação do romance homônimo de Herberto Sales, publicado em 1945. É uma história de garimpeiros e suas circunstâncias. Homens rudes, quase sempre analfabetos, movidos pela ambição, pelo espírito de aventura, pelos sonhos febris e por uma loquaz ingenuidade. Com muitíssimo esforço e alguma sorte, amealhavam pequenas fortunas e rapidamente as dilapidavam em prazeres fugazes e gastos generosamente descontrolados.

Elenco: Othon Bastos, Maria Rosa Espinheira, Harildo Deda, Jorge Coutinho, Irving São Paulo, Lúcio Tranchesi, Wilson Melo, Bertho Filho, Fernando Neves, Dodi Só, Agnaldo Lopes, Caco Monteiro, Gildásio Leite.

Ficha Técnica:
Produção: Marcio Curi
Roteiro: Tuna Espinheira
Fotografia: Luís Abramo
Trilha Sonora: Waltinho Queiroz & Aderbal Duarte
Direção de arte: Moacyr Gramacho

qui;ombos cartaz

 Quilombos da Bahia

2004 – doc – betacam – 94min

(Antonio Olavo)

Produtora ;  PORTFOLIUM

avant première; 10º Mostra Internacional do Filme Etnográfico (RJ, 2005)

sinopse; desvenda a realidade oculta das comunidades negras, revelando uma valiosa memória negra, contribuindo assim, para a elevação da auto-estima de milhões de afrodescendentes nascidos na Bahia, que pouco conhecem sua ancestralidade africana, mas que são herdeiros e sujeitos desta história. Uma história que não se resume, como fazem parecer algumas versões, à escravidão, sofrimento e subordinação, mas também uma história de alegria, liberdade, luta e emancipação.

Fotografia e Câmera: João do Valle
Técnico de Som: Jaime Reis
Produção Executiva: Raimundo Bujão
Administração de Produção: Evandro Matos
Pesquisa de Campo e Still: Luiz Pereira
Montagem: Antonio Olavo / Marcos Fiais / Rogério Almeida

Esses Moços

2005 – ficção – 35mm – 86min
(José Araripe Jr)

Produtora: Truque
Distribuição: Pandora
FazCultura (BA) 2001 / BNDES
Avant première: abril de 2005 no CinePE

Elenco: Inaldo Santana, Chayend Santos, Flaviana Silva, Lázaro Machado, Edmilson Mimí, Francisco Pithon, João Miguel, Gideon Rosa, Agnaldo Lopes, Neide Moura, Betho Filho, Rita Santana, Celso Jr, Manfredo Bahia, Andréa Duque, Fafá Pimentel, Ray Alves, Carlos Betão e Roberto Salles.

Sinopse: Darlene e Daiane são duas meninas que fogem do interior e chegam a Salvador. Lá encontram Diomedes, um senhor idoso que está desmemoriado, perdido nas ruas, sem saber quem é nem onde mora. Juntos, os três exploram a cidade. Darlene, a menina mais velha, tem a idéia de ganhar dinheiro com esmolas, por conta da piedade que o velho desperta nas pessoas. Ainda assim, os três constituem uma espécie de família informal, em que Diomedes é capaz de conduzir as meninas para seu mundo, onde afeto e solidariedade têm espaço para existir. A jornada que viverão em 48 horas mudará suas vidas e abrirá possibilidades de escolha inesperadas para os três.

Ficha técnica:
Roteirista: José Araripe Jr.
Co-roteiristas: Hilton Lacerda, Ricardo Soares, Victor Mascarenhas
Direção de Fotografia: Hamilton Oliveira
Montagem: Jefferson Cysneiros
Direção de Arte: Gilson Rodrigues
Produção: Moisés Augusto e Sylvia Abreu
Produção Executiva: Diana Gurgel, Ilna Baptista
Direção de Produção: Taissi Grisi
Trilha: Beto Neves
Edição de Som: Mírian Biderman
Som Direto: Nicolas Hallet

Eu me lembro

2005 – ficção – 35mm -110 min
(Edgard Navarro)

Produtora: Truque
1º Edital Bahia 2001
ANCINE, BNDES, PETROBRAS
Distribuição: Pandora

Avant première: nov 2005 – 38º Festival do Cinema Brasileiro de
Brasília

Sinopse: Uma investida poética de inspiração autobiográfica em que o
realizador mistura realidade e ficção para traçar um painel de memória
coletiva e, na tentativa de compreender a gênese de seus próprios
conflitos, termina fornecendo pistas sobre algumas das buscas
essenciais de sua geração.

Elenco: Lucas Valadares, Fernando Neves, Arly Arnaud, Annalu Tavares, Wilson Mello, Rita Assemany, Fernando Fulco, Valderez Freitas Teixeira, Nélia Carvalho, Eva Lima, Caco Monteiro, George Vassilatos, FriedaGutmann, Fafá Pimentel, Lucio Tranchesi, Cristiana Ferreira, Iara Colina, Laila Miranda Garin, Bertho Filho, Ipojucan Dias, Deusi Magalhães, Tânia Tôko, João Miguel, Rita Santana, André Tavares, Alex Muniz, Ricardo Luedy, Dantlen Melo, Ingredy Gaspar de Santana, Victor Porfírio e William Santos.

Ficha técnica:
produção: Sylvia Abreu e Moisés Augusto
música: Tuzé Abreu
fotografia: Hamilton Oliveira
direção de arte: Moacyr Gramacho
edição: Jefferson Cysneiros

A Cidade das Mulheres

2005 – doc – 35mm – 72min
(Lázaro Faria)

Produtora: X Filmes/ Casa de Cinema da Bahia/ Link Digital
Petrobrás/ BNDES/
Avant première: Jornada de Cinema 2005

Sinopse: Em 1939, a antropóloga norte-americana Ruth Landes esteve na Bahia pesquisando a raça negra e se surpreendeu com a força e a soberania que as mulheres do candomblé exerciam, formando uma organização matriarcal. Seu pensamento é um dos fios condutores deste documentário, ilustrado por imagens das festas populares e dos cultos africanos, das famosas mães de santo e da beleza exuberante da cidade de Salvador. A produção apresenta Mãe Estela, Yalorixá do terreiro Axé Opó Afonjá – um dos mais antigos e conceituados da Bahia -, que conta a história do candomblé e de sua própria vida. Ela discute o matriarcado, a energia das mulheres e o sincretismo no Brasil. Por fim, fala do futuro e da esperança que tem na continuidade e na força do candomblé.

Elenco: Mãe Stella de Oxossi, Mãe Altamira Cecília, Mãe Carmem, Mãe Nitinha de Oxum, Mãe Gisele Cossard, Mãe Bida

Ficha técnica:
Dir. de Fotografia: Lázaro Faria, Maoma Faria
Montagem: Isabela Lago
Produção: Lázaro Faria

260x365_519ebb02b1f12

Cidade Baixa

2005 / ficção/ 35mm./ 93 min.

(Sérgio Machado)

Produtora VIDEO FILMES

Sinopse; Deco e Naldinho se conhecem desde garotos, sendo difícil até mesmo falar em um sem se lembrar do outro. Eles ganham a vida fazendo fretes e aplicando pequenos golpes a bordo do Dany Boy, um barco a vapor que compraram em parceria. Um dia surge Karinna, uma stripper que deseja arranjar um gringo endinheirado no carnaval de Salvador a quem a dupla dá uma carona. Após descarregarem em Cachoeira, Deco e Naldinho vão até uma rinha de galos. Aos poucos a atração entre eles cresce, criando a possibilidade de que levem uma vida a três.

Elenco:
Wagner Moura, Lázaro Ramos, Alice Braga, Harildo Deda, Maria Menezes, João Miguel, Débora Santiago, Valéria, José Dummont, Dois Mundos, Ricardo Luedy, Olga Machado

Ficha técnica:
Direção: Sergio Machado
Roteiro: Karim Ainouz, Sergio Machado
Produção: Walter Salles
Fotografia: Toca Seabra
Trilha Sonora: Beto Villares, Carlinhos Brown

BRILHANTE

Brilhante

2006 – doc – 35mm – 75min.

(Conceição Senna)

Sinopse:
Brilhante narra o processo de transformação da cidade  de Lençóis e, através de depoimentos, os moradores relembram as filmagens  de Diamante Bruto, em 1977 e, as mudanças ocorridas, desde então em suas vidas e na economia local.

Ficha Técnica: 
Roteiro e Direção – Conceição Senna
Produtora – MP2 Produções
Produção Executiva – Aída Marques
Fotografia – Sofia Federico
Câmeras- Alex Araripe e Cleisson Vidal
Som – Guillermo Palácios
Edição – Luiz Guimarães de Castro
Edição de som – Virgínia Flores
Trilha Sonora Original – Marcos Souza
Distribuição – Riofilme Brasil

AGOSTINHO

Agostinho da Silva – Um Pensamento Vivo

2006 – Documentário – digital 80min,  Portugal/Brasil

(João Rodrigo)

Sinopse:
Marcado pelo gosto do paradoxo, pela independência e inconformismo das idéias e por invulgares dons de comunicação oral e escrita, a figura ímpar de Agostinho da Silva desenha–se num singular misto de sábio, visionário e homem comum, no qual o pensamento e a vida se indistinguem.

Ficha técnica:
Realização – João Rodrigo Mattos
Argumento – Pedro Agostinho / João Rodrigo Mattos
Voz Off – Luís Miguel Cintra
Fotografia & Câmera – Hans Herold ( Brasil )  / João Rodrigo Mattos ( Portugal )
Montagem – João Paulo Nunes
Trilha sonora –  André Luís Oliveira
Pós-produção digital – Ivo Ferreira
Concepção Gráfica – Mauro Sêco
Som – Pedro FX
Produção – Alfândega Filmes ( Portugal )
Co–Produção – RTP – Rádio Televisão Portuguesa / DocDoma Filmes / CTAV – Minc

glauber-roche-em-defesa-do-cinema

Glauber Rocha em Defesa do Cinema Brasileiro

2006 – doc – digital –  100min

(Roque Araújo)

Sinopse: 
O documentário retrata a visão de Glauber Rocha diante de temas como a religião, política, o cinema brasileiro, os erros e acertos do Cinema Novo e traz imagens inéditas do cineasta em momentos íntimos. Mesclando cenas de filmes, áudios, gravações de programas que não foram ao ar, centenas de entrevistas com personalidades como Lina Bo Bardi, Carlos Bastos, Norma Bengell, Juliet Bertó, Calazans Neto, Cacá Diegues, dentre outros, o filme consegue costurar a visão única, premonitória e apocalíptica do pai do Cinema Novo.

Ficha técnica:
Roteiro, direção e montagem: Roque Araújo

93e59309ad900adf90e6808698c2682a_jpg_210x312_crop_upscale_q90

Ó Paí, Ó 

2007 / ficção/ 35mm./ – 98 min.

(Monique Gardenberg)

Sinopse:
Em um animado cortiço do centro histórico do Pelourinho, em Salvador, tudo é compartilhado pelos seus moradores, especialmente a paixão pelo Carnaval e a antipatia pela síndica do prédio, Dona Joana (Luciana Souza). Todos tentam encontrar um lugar nos últimos dias do Carnaval, seja trabalhando ou brincando. Incomodada com a farra dos condôminos, Dona Joana decide puni-los, cortando o fornecimento de água do prédio. A falta d’água faz com que o aspirante a cantor Roque (Lázaro Ramos); o motorista de táxi Reginaldo (Érico Brás) e sua esposa Maria (Valdinéia Soriano); o travesti Yolanda (Lyu Arisson), amante de Reginaldo; a jogadora de búzios Raimunda (Cássia Vale); o homossexual dono de bar Neuzão (Tânia Tôko) e sua sensual sobrinha Rosa (Emanuelle Araújo); Carmen (Auristela Sá), que realiza abortos clandestinos e ao mesmo tempo mantém um pequeno orfanato em seu apartamento; Psilene (Dira Paes), irmã de Carmen que está fazendo uma visita após um período na Europa; e a Baiana (Rejane Maia), de quem todos são fregueses; se confrontem e se solidarizem perante o problema.

Elenco:
Lázaro Ramos, Stênio Garcia, Wagner Moura, Luciana Souza, Dira Paes, Érico Brás, Tânia Tôko, Emanuelle Araújo, Rejane Maia, Lyu Arisson, Valdinéia Soriano, Jorge Washington, Cássia Vale, Auristela Sá, Virgínia Rodrigues, Edvana Carvalho, Leno Sacramento, Cristóvão Silva, Vinícius Nascimento, Felipe Fernandes, Cidnei Aragão, Mateus Ferreira da Silva, Nauro Neves, Merry Batista, Natália Garcez, Tatau, Telma Souza, Lázaro Machado, Jamile Alves, Gustavo Mello, Nívea Pita e Anselmo Costa.

Ficha técnica:
Direção: Monique Gardenberg
Roteiro: Monique Gardenberg, baseado na peça teatral de Márcio Meirelles.
Produção: Augusto Casé, Paula Lavigne e Sara Silveira.
Fotografia: Eduardo Miranda.
Edição:João Paulo de Carvalho e Giba Assis Brasil.
Música:Caetano Veloso e Davi Moraes.

VASO4

Abdias Nascimento Memória Negra

2007 – Doc.- digital – 95 min

(Antonio Olavo)

Sinopse:
Este filme documentário conta a trajetória de Abdias Nascimento, histórico militante negro nascido em 1914, cuja obra e atuação política ao longo do século XX são essenciais para a compreensão da importância do negro na sociedade brasileira. Tendo como eixo central um depoimento gravado em 2005, o filme registra passagens importantes da longa trajetória de vida de Abdias do Nascimento
em defesa do povo negro, intercalando sua narrativa com fatos marcantes da organização do Movimento Negro no Brasil, que se tornaram referências para várias gerações.

Ficha Técnica:
Direção: Antonio Olavo
Produção: 
Raimundo Bujão, Josias Santos, Eliana Mendes e Leda Sacramento
Música: 
Rodrigo Alzueta 
Câmera/Som direto: 
Márcio Bredariol e Paulo César 
Narração: 
Marla Rodrigues
Direção de arte: 
Raiumundo Laranjeira
Montagem: 
Antonio Olavo, Raimundo Laranjeira e Tiago Lisboa 
Edição: 
Redação Secom
País de Origem: 
Brasil

Elenco:
Abdias Nascimento

Captura de Tela 2014-08-12 às 18.22.07

Bombadeira

2007 – DOC. – digital – 75 min

(Luis Carlos Alencar)

Sinopse:
Um documentário que mergulha no universo dos travestis e desvenda uma realidade pouco conhecida, longe da glamourização e dos estereótipos: “a dor da beleza” é revelada através da figura da bombadeira, profissional conhecida no meio por mudar as formas de suas “pacientes” através de implantes clandestinos de silicone industrial – por vezes, o único ou o mais acessível modo de se conseguir o corpo idealizado. E as travestis, quem são? Como vivem? O que desejam? Relatos destes cotidianos, suas relações familiares e conjugais, afazeres domésticos, a discriminação e forte religiosidade, além de anseios e sonhos em busca do tão desejado corpo feminino.

Ficha Técnica:
Direção e argumento: Luis Carlos de Alencar
Produção: Singra Produções
Co-produção: Grifo.doc
Edição: Fernando Oliveira
Direção de fotografia: Fernando Oliveira e Pedro Léo
Fotografia adicional: Cau Rocha
Assistente de direção: Cély Leal e Patrícia Freitas
Projeto Gráfico: Patrícia Simplício
Trilha Sonora: Glaucus Linx
Assistente de Produção: Daiane Tavares
Produção Executiva Luis Carlos de Alencar

090901-abreuelima1

Tudo isso parece um sonho

(Geraldo Sarno)

2008 – doc- digital – 150min.

Sinopse:
Une documentário e ficção para realizar pesquisa sobre a vida do General Abreu e Lima, pernambucano que participou, ao lado de Bolívar, de batalhas que libertaram a Colômbia, Venezuela e Peru da coroa espanhola. O filme discute o processo de construção dessa pesquisa, o processo de construção do próprio filme. Dessa maneira, um filme histórico, biográfico, se entrelaça com um filme sobre o cinema.


Elenco:
Wilson Mello, Caco Monteiro e Nélia Carvalho

Participações especiais:
Prof. Vamireh Chacon, Prof. Pedro Sosa, Sante Scaldaferri, Meral Hernandez, Severino de França (Biu do Coco), José Bernardo Pessoa (Mestre Zé Duda) e Mário da Silva (Pai Mário)

Ficha técnica:
Direção:  Geraldo Sarno
Roteiro;   Geraldo Sarno e Werner Salles
Fotografia: Pedro Urano e Pedro Semanovschi
Produção: Isolda Libório
Música: Lindemberg Cardoso
Montagem: Luiz Guimarães de Castro
Arte e figurino: Ana Dominoni
Som: Nicolas Hallet

260x365_519eb6845e776

Sagrado Segredo

(André Luiz Oliveira)

2008 / Doc /35mm /75min

Sinopse:
Um cineasta (Guilherme Reis), encurralado entre a liberdade da arte e a emergência de um caminho espiritual, é levado à cidade de Planaltina, próxima a Brasília, onde é encenada a Via Sacra. É neste percurso de natureza mística que ele se defronta com um grande segredo.


Elenco:
Amit Goswami, Ana Cristina, André Amaro, Grupo Via Sacra, Guilherme Reis, Iara Pietricovsky, Renato Mattos

Ficha técnica;
Direção: André Luiz Oliveira
Roteiro: André Luiz Oliveira
Produção: Marcio Curi, Renato Barbieri
Fotografia: André Lavenére
Trilha Sonora: Cláudio Vinícius

Captura de Tela 2014-08-23 às 10.39.57

Quando nada acontece

(João Gabriel)

2008 – ficção – digital- 75 min.

 

Sinopse:
Um mergulho em diversas situações que um homem a procura por emprego na cidade de Salvador, pode se envolver. O filme realiza um mix de linguagens ficcional e documental, com depoimentos de pessoas reais. Algumas das questões técnicas do filme foram inspiradas no movimento “Dogma Dinamarquês”. (como a não utilização de luzes artificiais e o uso constantemente da câmera na mão).

Elenco:
Agnaldo Lopes, Wilsom Mello, Bertrand Duarte, Bertho Filho.

 

Ficha técnica:
Direção: João Gabriel
Assistente de Direção: 
Mariana Magnavita e 
Felipe Kowalczuk
Produção
Sarah Miranda
Pauline Leite
Direção de Arte: 
Alice Barreto e 
Maria Carolina
Figurino: Karina Alaka
Som Designer: 
Rodrigo Azueta
Trilha Sonora: 
Vandex

cartaz

Estranhos

2009 – ficção – digital – 100min

(Paulo Alcântara)

 

Sinopse:
O longa traz um cantor de rua, uma ex-prostituta e seu marido ciumento, dois ladrões, uma professora e duas crianças. Todos estranhos. Todos no mesmo lugar. Cinco histórias que podem ser uma só: a busca daquilo que chamamos felicidade.


Elenco:
Jackson Costa / Cyria Coentro / Nelito Reis / Ângelo Flávio / Caco Monteiro / Mariana Muniz / Agnaldo Lopes / Tom Carneiro / Jussara Matias / Tania Toko / Luis Pepeu / Jhoilson de Oliveira / Heduen Muniz / Larissa Libóri

Ficha técnica;
Roteiro: Carla Guimarães e Santiago Roncagliolo
Produção Executiva: Solange Lima
Direção de Fotografia: Antônio Luis Mendes
Direção de Arte: Henrique Dantas
Montagem: Jaime Queiroz
Direção musical: André Moraes
Direção de produção: Amanda Gracioli e Maria Carolina
Produção de elenco: Lara Belov e Jamille Fortunato

Pau Brasil

2009 – ficção – 35mm – 98 min
(Fernando Belens)

Produtora: Studio Brasil /Truque
3º Edital Bahia 2005
Avant première: julho 2009 – V Seminário Internacional de Cinema da Bahia

Sinopse:
Num pequeno e perdido povoado no coração do Brasil, as
famílias de Joaquim e Nives moram lado a lado. Apesar de conviverem
com a mesma estrutura perversa de opressão social, lidam com a vida de modo radicalmente diferente. A intolerância com o outro e a pobreza são os ingredientes desse drama trágico.

Elenco:
Bertrand Duarte, Osvaldo Mil, Fernanda Paquelet, Fernanda Beling, Milena Flick, Arany Santana, Rita Brandi, Edlo Mendes, Felipe Calicote, Tarina Ramos.

Ficha técnica:
Roteiro: Fernando Belens e Dinorath do Valle.
Produção executiva: Luciano Floquet e Sylvia Abreu.
Diretor assistente: Adler Paz.
Direção de produção: Taissa Grisi.
Direção de platô: Macarra Viana.
Direção de elenco: Laura Bezerra.
Produção de elenco: Elson Rosário.
Direção de fotografia: Hamilton Oliveira.
Direção de arte e figurino: Moacyr Gramacho.
Montagem: AndreBendocchi Alves.
Música original: Bira Reis.
Som direto: Nicolas Hallet.
Edição de som: Andre Bendocchi Alves e João Da Costa Pinto.
Mixagem: Andre Bendocchi Alves.

Filhos de João – O Admirável Mundo Novo Baiano

2009 – doc – 35mm – 75 min.
(Henrique Dantas)

Produtora: Hamaca/ Docdoma
Neoenergia/ Fundo de Cultura da Bahia/Petrobrás
Distribuição: Pipa
Avant première: nov 2009 – 42º Festival do Cinema Brasileiro de Brasília

Sinopse: Um panorama da música popular brasileira dos anos 60 e 70 através do grupo musical Novos Baianos. Uma retrospectiva do estilo de vida comunitário adotado por seus integrantes e a influência sofrida pelo grupo do cantor João Gilberto.

Elenco: Tom Zé, Orlando Sena, Rogério Duarte, Mário Luiz Tompsom de Carvalho, Solano Ribeiro, Joildo Góes, Nonato Freire e Armandinho. E os integrantes do grupo: Moraes Moreira, Galvão, Baby do Brasil, Pepeu Gomes, Paulinho Boca de Cantor, Dadi, Didi Gomes, Jorginho Gomes, Gato Félix, Bola Moraes (em memória) e Charles Negrita.

Ficha técnica:
Diretor de Fotografia: Hans Harold
Montagem: Bau Carvalho e Henrique Dantas
Produção: Adler Paz, Bau Carvalho e Solange Lima
Som: Nicolas Hallet e Paulinho Seabra
Produtor de Finalização: Marcos Carvalho e Lula Oliveira
Finalizador: Bau Carvalho

Jardim das Folhas Sagradas

2010 – ficção – 35mm – 90 min
(Pola Ribeiro)

Produtora: Studio Brasil
Edital Petrobrás 2005
Avant première: 2010 – Festival do Rio
Distribuição: Polifimes

Elenco:
Antônio Godí, Harildo Deda, Evelin Buchegger, João Miguel, Aurístela Sá, Sérgio Guedes, Érico Brás.

Sinopse:
Salvador. A expansão imobiliária da cidade, decorrente de sua modernização, faz com que o candomblé, tradicional religião afro-brasileira ligada à natureza, seja afetada.  A causa é que o candomblé pede a existência de lugares amplos e naturais, para a realização de sua liturgia. É neste contexto que Miguel Bonfim, um ex-bancário que é filho de uma yalorixá e um jornalista de esquerda, decide criar o Jardim das Folhas Sagradas. Sem conseguir um local na cidade, ele decide montá-lo na periferia. Por questionar o sacrifício de animais, Bonfim resolve fazer um terreiro modernizado e descaracterizado. Só que esta decisão lhe traz graves consequências.

Ficha técnica:
Direção; Pola Ribeiro
Direção de Fotografia: Antônio Luiz Mendes
1º Assist. Câmera: Haroldo Borges
Preparação de Elenco: Márcio Meirelles
Produção de Elenco: Elson Rosário
Platô: Macarra – Mário Sérgio Vianna
Produção de Set: Matheus Vianna
Produção Executiva: Solange Lima
Direção de Produção: Paulo Alcântara
Direção de Arte: Gilson Rodrigues
Direção Musical: José Miguel Wisnik
Música: Gerônimo e Ildásio Tavares

Trampolim do Forte

2010 – ficção -35mm – 90min.
(João Rodrigo)

Produtora: Docdoma
Edital MinC BO 2007
FCBA / UD Film (Alemanha)
Distribuição:
Avant première – 2010 – Festival do Rio

Sinopse:
A vida nas ruas não está fácil e Felizardo, 11 anos, precisa
vender seus picolés para ajudar a mãe. Num desses dias, ele cruza com
Fuleirinho e sua turma. Ele se vê então numa encruzilhada entre o bem
e o mal e terá que tomar uma decisão. Déo, 12, é um mestre dos saltos
no trampolim. Contudo, em casa as coisas não estão nada bem e ele
acaba por envolver-se numa trama perigosa, envolvendo seus amigos, a
bela Tetéia e o temível Verdadeiro Tadeu, o Rei das Criancinhas.

Elenco:
Lucio Lima, Adailson Santos, Lais Gomes, Luis Miranda, Zéu Britto, Marcélia Cartaxo, Everton Costa

Ficha técnica:
Roteiro: João Rodrigo Mattos
Fotografia: Pedro Semanovischi
Montagem: Bau Carvalho
Música: Lourimbau, Robertinho Barreto, Alexandre Lins e Andre T.

Antonio Conselheiro - O Taumaturgo dos Sertões

2010 / ficção / 35mm / 86 min
(José Walter Lima)

Produtora: VPC
Distribuição:
Avant première – 2010, Salvador (Espaço Unibanco de Cinema Glauber
Rocha)

Sinopse:
Em 1897, o governo republicano enviou para Canudos (Bahia)
três expedições militares, com tropas bem equipadas, que foram
derrotadas pelos fanáticos liderados por Antônio Conselheiro.
Somente a quarta expedição conseguiu derrotar os seguidores do
Taumaturgo e exterminar a população da vila, que naquela época tinha
em torno de 25 mil habitantes.

Elenco:
Carlos Petrovich, Geraldo (Beatinho) , Bertrand Duarte, Iami Rebouças, Ajurimar , Marinaldo Nunes , Roque Carvalho, Celia Valadares, Celice Valadares , Adriana, Neusa, Clara Vasconcelos, Marilia Valadares, Rosa Leiro, Paulo, Antonio, Vera Leonelli, Marília Miranda, Peti, Iackson Hayalla, Aleluia Simões, Rose , Gereba.

Ficha técnica:
direção – José Walter Lima
co-direção – Carlos Vasconcelos Domingues
argumento e roteiro – José Walter Lima e Carlos Vasconcelos Domingues
produção executiva – Chico Drumond, Alberto Luiz Viana
produção – Neusa Barbosa
fotografia e câmera – Vito Diniz
fotografia e câmera complementar – Pedro Semanovchi
steadycam – Paulo Hermida
montagem – Roberto Pires, Fiorella Amico, Marcos Póvoas
som – Timo Andrade
som complementar – Nicolas Hallet, Simone Dourado, Ana Luiza Penna
direção de arte – José Walter Lima, Wilson D’argollo
animação – Caó Cruz Alves

quincas-berro-d-agua-poster01t

Quincas Berro DÁgua

(Sérgio Machado)

2010 – ficção – 35mm – 102min

 

Sinopse:
Rei dos botecos, bordéis e gafieiras da Bahia, o ex-funcionário público Quincas Berro d’Água é encontrado morto em sua cama. Inconformados com sua morte, seus melhores amigos “roubam” o corpo e o levam para uma última noite regada a festa e muita bebida. Em meio a mil confusões, Quincas “vive” a sua segunda e definitiva morte, desta vez como sempre sonhou.

Elenco:
Paulo José , Marieta Severo , Mariana Ximenes , Vladimir Brichta , Flávio Bauraqui

Ficha Técnica:
Produção: Mauricio Andrade Ramos, Walter Salles
Roteiro e direção : Sérgio Machado
Fotografia: Toca Seabra
Trilha Sonora: Beto Villares
Distribuidora: Disney
Estúdio: VideoFilmes / Globo Filmes / Miravista

 

O Último Romance de Balzac12299206_554220541400279_2686903163829626321_n

2010 / ficção / digital / 74 min
(Geraldo Sarno)

 

Sinopse:
Em 1965, Waldo Vieira, médium espírita que trabalhava próximo a Chico Xavier, psicografa o romance Cristo Espera por Ti, supostamente ditado pelo espírito do escritor francês Honoré de Balzac (1799-1850). Muitos anos depois, o livro cai nas mãos do psicólogo Osmar Ramos Filho, que lhe dedica vários anos de estudos. A partir dessa pesquisa, Osmar levanta uma interpretação original do romance A Pele de Onagro (La Peau de Chagrin). Em meio ao depoimento, o filme encena A Pele de Onagro em forma de cinema mudo. É o retrato de um Fausto moderno, o artista que se confronta com o suicídio na medida em que se convence que a realização da obra de arte o leva à morte. A arte mata o artista, um tema caro a Balzac.

Elenco:
Lirinha Ferreira,  Simone Spoladore, Ernesto Sollis, Lori Santos, Camilla Sarno

Ficha técnica:
Direção: Geraldo Sarno
Roteiro: Geraldo Sarno, Angel Diez
Produção Executiva: Vânia Catani
Direção de Fotografia: Pedro Semanovisky
Direção de Arte: Ana Dominoni
Montagem Luiz Guimarães de Castro
Empresa Produtora: Saruê Filmes

Escutando Tom Zétom

2010 / doc / digital / 76 min
(Jorge Alfredo)

Produtora: Orija Produções Artísticas e Audio Video Produções

Avant première – Salvador (Paronama Coisa de Cinema de 2010)

Sinopse:
O processo criativo e da influência de Irará na música de Tom Zé. A sua verve oratória transborda e escorre pelo ralo. A lente apenas “escuta” e a montagem preserva, intactas, essas revelações. Longos planos que se encaixam entre si, criando histórias paralelas, num fôlego desafiador e de narrativa performática. As falas, ao mesmo tempo em que parecem datadas soam atemporais, por que subjetivas, filosóficas e reflexivas. É como se Tom Zé, aos 73 anos, no auge da carreira, depois de tantas releituras, fosse minimalista ao extremo, apurado, delicado e incisivo nas suas revelações/testamento.

Elenco:
Tom Zé
Daniel Maia (GUITARRA/VOZ) Lauro Lellis  (BATERIA) Jarbas Mariz (CAVAQUINHO/PERCURSÃO/VOZ)
Renato Lellis (BAIXO/VOZ) Cristina Carneiro  (TECLADO/VOZ) Luanda (VOZ)
Capita
Filarmônica 25 de Dezembro
Chegança da Loja
Charanga
Marujos

Ficha técnica:
Direção – Jorge Alfredo Guimarães
Câmera e fotografia – Wandilson Moreira
Produtor de set (Irará) – Arlon Souza
Som direto – Jonatas Cavalotti
Still – Elcio Carriço
Roteiro e montagem– Jorge Alfredo Guimarães
Produtor executivo – Pola Ribeiro
Direção de produção – Suki Villas Boas
Arte cartaz – Felipe
Edição de som e Finalização – Wandilson Moreira
Assistentes de Produção  (Irará) – ROÇAWOOD (Romário de Oliveira dos Santos
Anderson Marcos de Cerqueira de Santana /Ronaldo de Oliveira dos Santos
Antonio Carlos Santos Gomes

menu base

A Pedagogia da Presença

 2010- doc – digital – 73min

(Jorge Alfredo)

Produtoras:  Orija, Áudio Video

Sinopse:
Revela a filosofia de trabalho que o empresário Norberto Odebrecht implementa no canteiro de obras desde 1944;Exemplo é melhor do que conselho, ensina o líder e educador. Essa história é contada por Piero Marianetti, Renato Martins, Pedro Novis, Luiz Villar, Renato Baiardi e Gilberto Sá, que começaram a trabalhar com Dr Norberto ainda bem jovens e permanecem até hoje na empresa. Eles aprenderam fazendo, a par e passo, sempre com a filosofia de servir, interagindo no dia a dia com os clientes através da delegação  que o Dr Norberto lhes atribuia, numa relação de confiança onde as decisões eram tomadas no canteiro de obras, de acordo com as necessidades que surgiam.  Detalhe; os Odebrecht não estão no filme como depoentes. Nem Norberto, nem Emílio nem Marcelo Odebrecht. O filme conta ainda com a participação especial do educador Antonio Carlos  Gomes da Costa. :

A Pedagogia da Presença é uma verdadeira aula de história do desenvolvimento urbano da cidade de Salvador e da engenharia baiana, que hoje ocupa um lugar de destaque em 19 países. As imagens foram captadas em Cinema Digital RED 4K, com locações na Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco, Rondônia, Lima/Cusco/Arequipa (Peru) e Lisboa (Portugal).

Direção:  Jorge Alfredo
Fotografia:  Wandilson Moreira e Hans Herold
Produção executiva: Sahada Josephina e Fátima Froes
Produção de base:  de Rodrigo Vilar
Argumento e a consultoria:  José Enrique Barreiro
Roteiro: Jorge Alfredo

O Homem que Não Dormia

2011 – ficção – 35mm – 100min
(Edgard Navarro)

Produtora: Truque
Edital Petrobrás / Edital BNDES / Fundo de Cultura da Bahia
Distribuição: Pandora
Avant première – Cine Futuro 2011

Sinopse:
Numa mesma noite cinco pessoas de uma cidadezinha do interior são acometidas pelo mesmo pesadelo: um homem sinistro e seu tesouro enterrado. Com a chegada de um peregrino, o vilarejo é arrebatado da rotina medíocre e os personagens lançados num vórtice de acontecimentos insólitos. A verdade de cada um será então trazida à luz, libertando-os do jugo perverso das hipocrisias, medos e doenças, compelindo-os a assumirem as rédeas de seus destinos e reescreverem suas vidas.

Elenco:
Bertrand Duarte, Evelin Buchegger, Fabio Vidal, Mariana Freire, Ramon Vane, Luis Paulino dos Santos, Edgard Navarro, Fernando Neves, Harildo Deda, Bertho Filho, Fernando Fulco, Carlos Betão, Inaldo Santana, Jorge Washington, Psit Mota, Edneas Santos, Frieda Gutmann, Júlio Goes, Lázaro Machado, Luís Pepeu, Lúcio Tranchesi, Marinho Gonçalves, Narcival Rubens, Nélia Carvalho, Paula Carneiro, Paulo Tiago, Rodrigo Frota, Rita Carelli, Rui Manthur, Zeca de Abreu.

Ficha técnica:
Produção: Sylvia Abreu
Música: Tuzé Abreu
Fotografia: Hamilton Oliveira
Direção de Arte: Moacyr Gramacho
Edição: Pablo Oliveira

Bahêa, Minha Vida

2011- doc – 35mm – 100 min
(Márcio Cavalcante)

Produtora: Movimento Digital Filmes
Patrocínio: OAS
Distribuição: Paris Filmes
Avant première: circuito comercial out/ 2011

Sinopse:
Um filme sobre a paixão da torcida do Bahia, sobre sonhos e vida, muita vida, expressa em alegrias e lágrimas, em gritos e silêncios, em desencantos e euforias. Uma verdadeira homenagem à nação tricolor. A grande questão é o porquê de tanto amor. Existe explicação?

Elenco:
Beijoca, Baiaco, Zé Carlos, Sapatão, Douglas, Bobô, Ronaldo, Charles, Daniel Alves, Jorge Wagner, Elizeu, Osni, Raldinei, Ávine, Pepe, Arnaldo Cezar Coelho, Evaristo de Macedo, Joel Santana, Marcelo Barreto e Juca Kfouri, Ricardo Chaves, Tomate, Tucá, Margareth Menezes, Cláudia Leitte, Armandinho e Luiz Caldas.

Ficha técnica:
Direção de Fotografia: Lázaro Santana
Diretor Assistente: Matheus Vianna
Assistente de Direção: Diego Lisboa
Direção de Produção: Sheila Gomes
Montagem: Denis Ferreira
Mixagem: Estúdio Base

PosterCinema-Capitães-Large

Capitães da Areia

2011 – ficção – 35mm – 95 min

(Cecília Amado)

Pedro Bala (Jean Luís Amorim), Professor (Robério Lima), Gato (Paulo Abade), Sem Pernas (Israel Gouvêa) e Boa Vida (Jordan Mateus) são adolescentes abandonados por suas famílias, que crescem nas ruas de Salvador e vivem em comunidade no Trapiche junto com outros jovens de idade semelhante. Eles praticam uma série de assaltos, o que faz com que sejam constantemente perseguidos pela polícia. Um dia Professor conhece Dora (Ana Graciela) e seu irmão Zé Fuinha (Felipe Duarte), que também vivem nas ruas. Ele os leva até o Trapiche, o que desencadeia a excitação dos demais garotos, que não estão acostumados à presença de uma mulher no local. Pedro consegue acalmar a situação e permite que Dora e o irmão fiquem por algum tempo. Só que, aos poucos, nasce o afeto entre o líder dos Capitães da Areia e a jovem que acabou de integrar o bando.

Cuíca de Santo Amaro

2012–doc – 35mm / 75min
(Joel de Almeida / Josias Pires)

Produtora: Docdoma
Petrobrás
Distribuição:
Avant première: É Tudo Verdade 2012

Sinopse:
Na idílica Salvador dos anos 40 e 50, o poeta popular Cuíca de Santo Amaro atenta contra o pudor e brada contra a hipocrisia,
revelando em praça pública segredos de alcova e trapaças de ricos marreteiros. O poeta mais temido da Bahia é o defensor do povo e a voz do escândalo.

Elenco:
Alaíde do Feijão, Aníbal Piedade, Anísio Carvalho, Armindo Bião, Braga Neto, Cacau do Pandeiro, Chocolate da Bahia, Detinha de Xangô, Edilene Matos, Edvaldo Gato, França Teixeira, Gaspar Sadoc, Índio Piedade, Jayme Figura, Jerusa Pires Ferreira, Jorge Sampaio Gomes, José Carlos Capinan, Maria Simões, Mário Kertész, Mestre Vitorino, Muniz Sodré, Olivio Santo Amaro, Oscar Santana, Roberto Alves, Sante Scaldaferri, Ubiratan Castro, Virgildasio Sena, Waldir Pires, Walmir Lima, Zilda Paim.

Ficha técnica:
Produção Executiva: Adler Paz, Bau Carvalho e Lula Oliveira
Direção de Fotografia: Paulo Hermida
Direção de Arte: Ian Sampaio
Direção Musical: Tuzé de Abreu
Montagem: Bau Carvalho

A Coleção Invisível cartaz_colecao

2013–ficção – 35mm /89min
(Bernard Attal)

Patrocinadores Financeiros: Petrobras, Fundo de Cultura da Bahia

Produzido por: Bernard Attal, Diana Gurgel e Michael Fix

Sinopse:
A família de Beto (Wladimir Brichta) é dona de uma tradicional loja de antiguidades em que está passando por uma crise financeira. Para tentar solucionar este problema ele se lança numa viagem até a cidade de Itajuípe, interior da Bahia, atrás de uma coleção raríssima de gravuras. Lá ele conhece o colecionador Samir e sua família, que passam por um momento difícil. Esse encontro fará com que ele mude sua maneira de enxergar o mundo.

Elenco:
Vladimir Brichta, Walmor Chagas,  Ludmila Rosa, Conceição Senna  Clarisse Abujamra, Frank Menezes, Paulo-César Pereio, Wesley Macedo

Ficha técnica:
Direção: Bernard Attal
Roteiro: Bernard Attal, Sergio Machado, Iziane Mascarenhas
Adaptado de um conto de: Stefan Zweig
Produtora Executiva: Diana Gurgel
Diretor de Fotografia: Matheus Rocha
Montagem: Karen Harley
Música: Silvain Vanot
Som: Nicolas Hallet e Waldir Xavier

Pra Lá do Mundopra

(Roberto Studart)

2013 – doc – 35mm – 78 min

Produtora: Truque / Primitivo
Grupo Neoenergia
BNDES
FSA
 
Apoio: Pousada do Capão
 
Avant Première – Mostra Internacional de Cinema de São Paulo – 2012

Distribuição: Pandora Filmes

Sinopse: 
Um lugar deslumbrante cheio de magia, um vale escondido a 1000 metros de altitude, na região da Chapada Diamantina, onde pessoas de diferentes nacionalidades buscaram refúgio, deixando grandes centros urbanos para uma ruptura radical com a sociedade de consumo. Eles transformaram o local em um centro de experimentação, diversidade e conflitos ideológicos, que ao mesmo tempo encantam, ameaçam e questionam o futuro da comunidade.

Elenco:
Zezito Duarte, Marta Simões, Antuá Ansar, Daniel Quiroga, Áureo Augusto, Sylvie Shining, Palito, Salomão Zalcergas, Diana Almeida, Circo do Capão – Espetáculo Cabaret, Coral do Capão e Grupo Instrumental do Capão.

Ficha técnica:
Direção: Roberto Studart
Produção Executiva: Sylvia Abreu
Roteiro: Roberto Stuart e Dimitre Lucho
Diretor de Fotografia: Ching Wang
Som Direto: Nicodéme de Renesse
Trilha Sonora: André T. e Tuzé de Abreu
Composições musicais: Ari Vinicius Pessoa e Stefano Cortese
Montagem: Manga Campion e Roberto Studart

bacantes

Trieletrizado

(Jorge Alfredo)

2013 – doc- digital – 76 min

Sinopse:
O carnaval muda a depender do nosso ponto de vista. O folião pipoca tem uma visão bem diferente de quem vai em cima do Trio ou lá em baixo, de abadá. Que dirá daqueles que ficam dependurados em galhos de árvore, marquise, varanda de camarote ou simplesmente se ajeitam num canto “pra ver a banda passar”. Os Carnavais são muitos, distintos e intensos, inclusive nas suas diferenças e mesmices. Me chama a atenção os corpos largados, exaustos, estendidos no asfalto, descontraidos – em contraponto ao dia-a-dia de estresse e medo – aqueles momentos entre a passagem de um e outro trio ou bloco, entre a esbórnia e a ginga dos quadris.

Elenco: 
Armandinho Macedo, Clarindo Silva,  Geronimo Santana, Aícha Marques, Zeca de Abreu, Lázaro Machado, Annalu Tavares, Mirella Matos, Nonato Freire e Edvana Carvalho

Ficha técnica:
Roteiro e Direção; Jorge Alfredo
Fotografia: Dica Bastos e Hans Harold
Som direto:  Eder Long
Assistente de câmara: Gabriel Trajano
Assistente de direção: Cassia Cardoso
Produtora de set: Marilene Santiago
Assistente de produção: Maíra Assis
Still: Mimm Song

RED 4K
Som Multipista

externas realizadas em fevereiro de 2010

Ritos de Passagem cartaz_ritos

2013–animação – digital / 98min
(Chico Liberato)
 

Sinopse:
Ritos de Passagem baseia-se em duas personagens do imaginário do sertão nordestino, o Santo e o Guerreiro, que após a morte entram no barco de Caronte, o barqueiro do Rio da Morte, que os faz refletir nos atos e escolhas que cada um fez em resposta aos acontecimentos que a vida lhe reservou.Através dos ritos de passagem – nascimento, batismo, transição da juventude para a idade adulta, morte e transcendência – as personagens auto-analisam-se, discorrendo sobre os acontecimentos vividos no contexto denso, dramático e adverso propiciado pelos rigores da vida áspera no sertão.

Elenco:
Jackson Costa – Alexandrino
Harildo Deda – Santo
Caco Monteiro – Quadrado / Demo
Ingra Liberato – Maria
Olney São Paulo – Caronte
Fernando Santana – Mano
Jaime Cunha – Pároco
Marcelo Praddo – Paide Alexandrino
Tina Tude – Mãe de Alexandrino
Agnaldo Lopes – Burguês e Mendigo Negro
Amós Heber – Homem briga de facão
Bira Freitas – Burguês e Mendigo Barba Longa
Bruno de Sousa – Corisco
Caíca Alves – Marido de Dona Dadivosa
Carlos Betão – Burguês e Mendigo Paletó Marrom
Cláudio de Moura – Dona Jovina
Dulce Valverde – Dona Dadivosa
Felipe Pires – Santo Menino
Francisco Liberato da Trindade – Alexandrino Menino
Goretti Teixeira – Beata
Guilherme Liberato Leindecker – Meninos da Vila
Guilherme Stadler – Homem avisa na bata de feijão
Igor Epifanio – Homem briga de facão
João Lima – Burguês e Mendigo Costeleta suíssa
João Paulo Liberato da Trindade – Meninos da Vila
Katia Leal – Burguesa e Mendiga Loira
Lindete Souza – Burguesa e Mendiga de óculos
Pisit Mota – Baixinho
Timoteo Liberato – O Anjo
Urias Lima – Burguês e Mendigo Paletó Azul
Coreografia: Flor Violeta Liberato Bartilotti
Dançarina: Dalia Helena Bartilotti
Casting e Preparação de Elenco de Apoio: Andrea Elia
Produção: Vladimir Vasconcelos e Adriano Palma
Assistentes de Produção: Ana Liberato, Priscila Campello e Sonia Veiga
Assistentes de Edição: Marcio Oliveira
Assistente de Arte: Adriano Palma
Storyboard: Chico Liberato, Diego Nascimento e Tiago Oliveira
Animatic: Marcio Oliveira e Vladimir Vasconcelos
Direção de Animação: Chico Liberato e Claudio Guido

Ficha técnica:
Direção: Chico Liberato
Produção Executiva: CandidaLuz Liberato
Produção: Liberato Produções Culturais
Co-produção André Bendocchi-Alves e Claudia Enzmann
Roteiro Alba Liberato e Chico Liberato
1º Assistente de direção: Cláudio Guido
2º Assistente de direção: Vladimir Vasconcelos
Direção de Arte: Antonio Cassiano, Chico Liberato e Claudio Guido
Edição: Vladimir Vasconcelos

Depois da Chuva10530699_880646458642822_3153102655690445975_n

2013 – Ficção, cor, digital, 90min

(Cláudio Marques e Marília Hugnes)

 

Produtora Coisa de Cinema

Sinopse:
Salvador, Bahia, 1984. Após vinte anos de ditadura, a população vai às ruas exigir a volta das eleições diretas para Presidente da República. Esse será um ano de transformação para o país e para o jovem Caio!

Elenco:
Pedro Maia, Sophia Corral, Aicha Marques, Talis Castro, Paula Carneiro, Matheus Dantas, Zeca de Abreu, Victor Corujeira, Ricardo Pisani e Bertho Filho

Ficha técnica:
Produção executiva: Cláudio Marques e Marília Hughes
Roteiro e montagem: Cláudio Marques
Fotografia: Ivo Lopes Araújo
Som direto: Guile Martins
Desenho de som; Edson Secco
Direção de arte, cenografia e figurino; Anita Dominoni
Música original; Mateus Dantas, Nancy Viegas, Banda Crac! e Dever de Classe

Hereros Angola Sergio_Guerra_Hereros_Angola

 

2013 – doc – digital – 99min

(Sérgio Guerra)

Sinopse:
Habitantes das terras do sudoeste de Angola e provenientes dos povos bantos, os hereros são donos de uma tradição ancestral que é passada oralmente de pais para filhos. O filme mostra o conhecimento vivo destes povos, em constante movimento: do nascimento à morte, atravessando os mais importantes aspectos da ancestralidade, que mantêm essa milenar cultura de pé e que agora ganha novos sentidos através da câmera cinematográfica. Os planos levam a territórios improváveis da experiência humana, que aos olhos externos podem parecer somente exóticos. Através de um convívio intenso com esses povos, o filme mostra um presente, que não só reflete o passado, mas eterniza uma cultura quase sem registros.

Ficha técnica:
Direção: Sérgio Guerra
Roteiro: Marcelo Luna
Produção: Vanessa Francisco
Fotografia: Hamilton Oliveira
Montagem: Marcelo Luna e Mariana Valença
Trilha Sonora: Bira Marques
Edição de Som: Catarina Apolonio
Direção de Arte: Renato Barreto
Animação: Renato Barreto

henrique4

Sinais de Cinza – a peleja de Olney contra o dragão da maldade

 

2013 – doc – digital – 86 min.

(Henrique Dantas)

 

Sinopse:
O filme procura dar a dimensão da importância do cinema de Olney São Paulo, assim como, denunciar os absurdos cometidos pela Ditadura Militar na vida desse cineasta Caboclo e sertanejo que tinha a idéia de mudar o mundo a partir do seu cinema revolucionário e que morreu, vítima do longo processo de tortura, diante da sua corajosa postura de fazer filmes. O filme se propõe a trabalhar a memória num conceito que chamo de “Memória Esgarçada”, onde, por conta do esquecimento dos filmes e da história de Olney, foi desenvolvido uma linguagem a partir das projeções de filmes do autor, em arquiteturas e lugares também desgastados, por onde o biografado passou, como a sala de tortura, o lugar de seu nascimento, o local onde morava e trabalhava, etc, gerando uma nova imagem. É como se o fio do tecido esgarçado fosse reunido numa nova roupa, numa roupa feita de memórias e imagens.

Elenco:
Orlando e Conceição Senna, Nelson Pereira dos Santos, Edgar Moura, José Carlos Avellar, Antonio Manoel, Emanuel Cavalcanti, Olney São Paulo Jr., Ilya São Paulo, Pilar São Paulo, Tuna Espinheira, Alba e Chico Liberato, Helena Inês, Luiz Paulino dos Santos, Oscar Santana, Sonélio Costa(Índio), Márcio Curi, Regina Machado,

 
Ficha técnica:
Roteiro e Direção: Henrique Dantas
Direção de Fotografia: Pedro Semanovich
Direção de Arte: Henrique Dantas
Montagem: Henrique Dantas, Irís de Oliveira e Ilo Alves
Direção de Produção: Marcello Gurgel
Produção Executiva: Mariana Vaz e Henrique Dantas
Finalização de Imagem: Kico Povoas
Edição de Som: Waldir Xavier
Finalização de Som: Damião Lopes

horrorBreviário do Horror

 

2013 – doc –  digital – 80 min.

(Fábio Di Rocha e Flávio Lopes)

 

Sinopse:
Breviário do Horror é um código aberto. Narrativas múltiplas, cujo o intuito é gerar transenvolvimentos sensoriais. Hibridismo e interconectividade, fluxo de pensamento acionado por redes entrelaçadas; quase real. O protocolo de experimentaçãoo aqui vai no sentido de pensar o horror do cotidiano da Cidade  do Salvador em seu estado bruto, ordinario, sem reduces; um processo-projeto em expansão, com uma camada experimental ainda e sempre por vir. Um dispositivo cinemático e também uma breve contribuição à história do Horror. Work in Transgress eternamente para trás e infinitamente para frente. Transmutação das estratégias de criação. Arte, corpo e tecnologia no mesmo ecrán. Pós-cinema em busca de imagens-sínteses.

 

Ficha técnica:
Direção, Roteiro, fotografia e montagem: Fábio Di Rocha e Flávio Lopes
Sonoridades: Edbrass Brasil
Produção: Olga Sá
Finalização: Caetano Travassos
Design: João Ramos
Imagens Adicionais: Gabriel Teixeira e Igor Souto
Pós-produção de som: Jorge Solovera
Paisagens Sonoras: Edbrass Brasil, Davi Caires, Jan Cathalá, Vinicius Mangaio, Bosta Rala, Fábio Di Rocha
Design: João Ramos

Rabecafilme Rabeca - Sabias da Mata

2013 – doc – digital – 71 min

(Caetano Dias)

 

Sinopse:
Eder Fersant, jovem músico radicado na Bahia, em uma viagem de Irecê à Correntina, revela os mitos regionais, os personagens, os sons e a riqueza cultural do sertão nordestino, apresentando cruamente o desaparecimento da tradição dos mestres rabequeiros. A Rabeca, instrumento que acompanha o músico durante a viagem, é utilizada como elemento de ligação entre os personagens no filme. O foco da narrativa nos conduz à história de personagens como Dona Dominga da Rabeca, octogenária e mestre rabequeira.

Ficha técnica e elenco:
com EDER FERSANT
partipação DEUSI DE MAGALHÃES
diretor: CAETANO DIAS
assistente de direção: ALEX SOUZAN
direção de fotografia: WALLACE NOGUEIRA
assistente de fotografia: NANNA POSSA
coordenação de produção: MARIANA MELLO
produção: LEONARDO CAMPOS
produção local xique-xique: GISELDA MEIRA, CINCINATO DE OLIVEIRA   produção local correntina: PAULO DE ABREU FILHO, ARTEMIO BARBOSA ALVES   som direto: KLEBER MORAIS
assistente geral: PAULO A. DE SOUZA (Palito)
preparação de elenco: DEUZI MAGALHÃES
caracterização da mulher do cabelo: MARIE TOOURRON
coordenação de pesquisa: CAETANO DIAS
equipe de pesquisa: CLAUDIA POSSA, EDER FERSANT, LEONARDO CAMPOS, MARIANA MELLO
participações: BIRA (GERIVALDO M. DA SILVA), NAPINHO (NAPOLEÃO A. DE SOUZA), ALZENI SENHORINHA MATOS DE QUEIROZ, DONA NITA (ANITA DO NASCIMENTO), ISRAELITA ANTONIA DOS SANTOS, JOAQUIM NASCIMENTO DOS SANTOS, FRANCISCO DA SILVA, SR. BELMIRO, DIVINO NASCIMENTO DOS SANTOS, CAIQUE FEITOSA DOS SANTOS, VAGNER PINTO BARBOSA, CARLOS NEI FERREIRA DA SILVA, GEISILANE GUERRA DOS SANTOS, VITÓRIA RIBEIRO DA SILVA, SÓRIA NASCIMENTO, FRANCISCA PEREIRA DA SILVA, AROLDO SOUZA COSTA, ADALGIZIA MIRANDA COSTA, MÁRCIO HÉLIO FRANCISCO ALVES, FÁBIO MACHADO SANTOS, ZÉ SANTANA, UENDERSON SILVA COSTA DOS SANTOS, MARIA BERNADETE MAGALHÃES, DONA DOMINGA DA RABECA, NININHO (WALINSON FERREIRA DOS SANTOS), PAULO DE ABREU FILHO, TONHO PIABA (ANTÔNIO ALVES DE SOUZA), SR. ADRIÃO, DALVINA BENICIA DA SILVA

PT_Cartaz_Aprender_A_Ler_A1

Aprendendo a ler pra ensinar meus camaradas

 

 2013 – doc – digital – 84 min.

(João Guerra)

 

Sinopse:
O filme acompanha a jornada de dois músicos angolanos que viajam até a Bahia-Brasil em busca de traços de uma ancestralidade perdida. Além de fazer um grande show, no trajeto eles encontram diversos músicos enquanto investigam elementos de sua própria identidade e assim são provocados e confrontados por estas descobertas. Um documentário musical que trata de uma herança angolana fora de Angola e reencontrada através da música.

 

Elenco:
Músicos de Angola: Dodô Miranda e Wyza Kendy
Músicos do Brasil: Bira Marques, Fael Primeiro, Ganhadeiras de Itapuã, Jazz no MAM, João do Boi e Alumíno, Mateus Aleluia, Mutá, Orquestra Popular Brasileira, Riachão, Roberto Mendes, Russo Passapusso, Sistema Kalakuta e Tiganá Santana

 

Ficha Técnica
Produção Executiva Sérgio Guerra
Direção e Roteiro João Guerra
Diretor Assistente Fred Belchior
Montagem Douglas Gomes
Som Direto e Desenho Sonoro Napoleão Cunha
Coordenação Técnica Tito Oliveira
Câmeras Adilson Bacelar (Angola), Fábio Rocha, Fred Belchior, Jean-Noel Lansival, João Guerra
Produção Valéria Silveira, Eneida Rebouças, Pedro Santana, Clarice Rocha (Angola)
Direção de Arte Fred Belchior, Renato Barreto
Pesquisa Maira Cristina
Microfonista e Assistente de Som Dudoo Caribe
Correção de Cor Fred Belchior, Tito Oliv

Revoadarevoada3

(José Umberto)

2014 – ficção – digital – 80 min.

Sinopse:
Numa madrugada de 1938 é morto de emboscada Lampião, “o rei do cangaço”. Resta um subgrupo composto de oito homens e duas mulheres. Eles estão revoltados com o trágico acontecimento e decidem partir para uma vingança alucinada, embora já pressintam o fim do cangaço. Chefiados por Lua Nova e sua companheira Jurema, o bando traz muito ouro, pedras preciosas e dinheiro: uma riqueza adquirida em saques e coletas. São perseguidos implacavelmente por uma equipada volante policial. O dilema é se entregar ao governo ou lutar. A tocaia cresce e o grupo foge para as montanhas rochosas. Divididos em apaixonados conflitos internos, os bandoleiros se desintegram ao ritmo crescente da tensão, da resistência, ódio, amizade, sonhos, do amor e o medo da morte. O destino de cada um está traçado no crepúsculo do cangaço.

Elenco:
Jackson Costa, Annalu Tavares, Nelito Reis; Bernardo D’El Rey; Nayara Homem; Aldri Anunciação, Sérgio Telles, Gil Teixeira, Edlo Mendes; Caio Rodrigues; Cristiane Veiga; Carlos Betão; Deusi de Oliveira; Ádria Andrade;Sílvio Pedra; Nina; Dan; Cissa Brito

Ficha técnica:
Roteiro e Direção  –  José Umberto
Diretor de Fotografia  –  Mush Emmons
Montagem/Edição  –  Bau Carvalho, Severino Dada e André Sampaio
Produção  –  J.U.Dias
Produção Associada – VPC Cinemavídeo
Produção Executiva  –  Walter Webb
Direção de Produção  –  Lílian Navarro
Produção de Finalização – José Walter Lima
Diretor de Arte  –  Zuarte Jr.
Still  –  Calil Neto
Assist. de Direção  –  Fábio Ornelas, Fernando Moraes e Ivo Branco
Prod. De Elenco  –  Araguaia
Assist. de Fotografia  –  Zé Bob
Assist. de Produção  –  Claudete Soares
Assist. de Produção  –  Delma
Técnico de Som  –  José Melito
Operador de boom  –  Denis Melito
2º. Assist. de Câmera  –  Ulisses Neto
Vídeo Assist  –  Bernardo
Continuísta  –  Paula
Chefe de Eletricista  –  Edvandro (Lourinho)
Eletricista  –  Sérgio Tomé (Serrinha)
Chefe de Maquinista  –  Juscelino
Maquinista  –  Paulinho
Cenotécnico  –  Nietzsche
Contra-Regra  –  Marquinhos
Figurinista  –  Marquinhos
Assist. de Figurino  –  Adriano
Maquiagem  –  Wilson Argolo

Tropykaos

2015 – ficção – digital – 90 min

(Daniel Lisboa)

 

Sinopse:
TROPYKAOS é realismo caótico. Guima, um jovem poeta burguês, tenta interagir com a cidade, fazer parte dela, mas parece não ter corpo para isso. É o verão mais caloroso dos últimos 50 anos e os raios “ultraviolentos” estão por toda parte. O Sol é a metáfora maior de um sistema violento que adormece e agride a todos. A sociedade, a família, amigos e amores se deformam com o calor. Guima parece despertado, parece o primeiro a sentir os malefícios da exposição a “ultraviolência solar”. Na beira do que pode ser o último dos carnavais, Guima enfrenta a cidade e a si mesmo buscando a iluminação no trópico caótico.

Elenco:

Ficha Técnica:

Travessia

 2015 – ficção – digital – 88 min.

(João Gabriel)
Sinopse:
Roberto (Chico Diaz), um homem solitário e infeliz, tem uma relação conflituosa com Júlio (Caio Castro), o seu único filho. Após se envolver em um incidente, ele tem sua rotina alterada e se vê obrigado a repensar a sua vida. Paralelamente, Júlio, envolvido com o trafico de drogas sintéticas, vai sendo levado por acontecimentos que vão mudar seus planos, enquanto busca manter distância do pai.

 

Elenco:
Chico Diaz, Caio Castro, Camila Camargo,
Caco Monteiro, Cyria Coentro, Amauri Oliveira,
Thor Vaz, Fernanda Beling.

Ficha Técnica
Direção: João Gabriel
Roteiro: Paulo Tiago, João Gabriel e Maria Carolina
Fotografia: Pedro Sotero
Montagem: Lillah Halla, João Gabriel
Música: Felipe Massumi, DJ Propulse
Produtor: João Gabriel
Produção: Zona de Produção / Big Bang Films

Rogério Duarte, o Tropikaoslista

(José Walter Lima)

2015 – documentário – digital – 90 min.

Sinopse:
Filme documentário de longa metragem que  mergulha na vida e na obra de Rogério Duarte buscando encontrar o indivíduo que existe por trás da personagem. O documentário visa retratar a trajetória de uma das figuras seminais das artes e do pensamento brasileiro dos últimos 50 anos. Músico, compositor, artista gráfico, um dos criadores do Tropicalismo, Rogério sempre esteve por trás - e sempre à frente - de tudo que havia de mais moderno e contemporâneo na cultura brasileira nos vitais anos das décadas de 1960 e 1970. Como disse Glauber Rocha a Caetano Veloso, em certa ocasião: “Não esqueça Caetano, que por trás de todos nós está Rogério Duarte.”

Ficha técnica:

Diretor: José Walter Lima
Assistente de Direção: Roberto Torres
Roteiro: José Walter Lima, Roberto Torres
Produção Executiva: Neusa Barbosa
Assistente de Produção: Daniela Floquet
Diretor de Fotografia: Pedro Semanovschi
Colorista: Adonias Dantas
Montagem: Bau Carvalho
Assistente de Montagem: Thiago Brandão
Animação: Caó Cruz Alves
Participações Especiais: Caetano Veloso, Gilberto Gil, Paquito
Carlos Rennó, Armandinho, Luiz Caldas, Diogo Duarte

Jonas e o Circo sem Lona

2015 – documentário – digital – 81 min

(Paula Gomes)

 

Sinopse:
Jonas tem 13 anos e seu sonho é manter vivo o circo que ele mesmo criou no quintal de casa. Enquanto luta por isso, Jonas vai atravessar a grande aventura de crescer..

Elenco:
Jonas Laborda, Wilma Macedo, Neide Silva, Wanderson Silva, Micael Nunes, Ian Laborda, Gutinho Silva, Mateus Lima, Ana Paula Araújo.

Ficha Técnica:
Direção: Paula Gomes
Roteiro: Paula Gomes e Haroldo Borges
Assessoria de Projeto: Marta Andreu
Produção: Marcos Bautista, Ernesto Molinero, Haroldo Borges
Produção de Set: Milena Pinheiro
Direção de Fotografia: Haroldo Borges
Som Direto: Pedro Garcia do Couto
Montagem: Andrea Kleinman
Edição de Som / Mixagem: Jorge Gutierrez, Tori Zalokar, Max Gorriti

Aos Meus Irmãos

documentário - em finalização

(Mateus Damasceno)

Sinopse:
Aos Meus Irmãos é um documentário de longa-metragem sobre a vida de Dom Timóteo Amoroso Anastácio, abade do mosteiro de São Bento da Bahia entre 1965 e 1981. O filme destaca sua espiritualidade, força de uma atuação notável que sublinhou a luta pelos direitos humanos, a tolerância religiosa e o pioneirismo no diálogo respeitoso com o candomblé. Em 68 abrigou estudantes e perseguidos políticos, quando protagonizou um elo místico entre o presente e o passado: a invasão do mosteiro por legiões hereges, anos após o aquartelamento holandês de 1624.

 

Ficha Técnica

Roteiro e Direção: Mateus Damasceno
Assistente de Direção: Vitor Rocha
Produção Executiva: Eliana Mendes
Assistente de Produção Executiva: Érika Saldanha
Direção de Fotografia: Pedro Semanovschi
Assistente de Câmera e Logger: Daniel Carvalho e Gabriel Lima
Still/ Making Off: Nathália Miranda
Som Direto: Marcello Benedictis
Direção de Arte: Carol Tanajura
Assistente de Produção de Arte: Camila Ribeiro
Montagem: Pedro Santana
Finalização: Tito Oliveira

17 Comentários...

  1. carlos verçosa disse:

    maravilha
    jorge alfredo

    pra ficar 100%
    só falta incluir o cartaz
    na ficha
    (criação, design)

    forte abraço,
    carlos verçosa

  2. carlos verçosa disse:

    maravilha
    Jorge Alfredo

    pra ficar 100%
    só falta incluir
    na ficha técnica
    o cartaz dos filmes
    (criação, design)

    forte abraço,
    Carlos verçosa

  3. Marcos José de Souza disse:

    Como posso adquirir o Caderno de cinema na versão impressa? Trabalho com o audio-visual, brasileiro-baiano, em sala de aula e também em evento escolar denominado SEMANA TEMÁTICA DE CINEMA e acredito que o caderno será um grande suporte/fonte de informação para nossa prática cotidiana.

  4. Maria Francisca de Carvalho Matos disse:

    Uma super contribuição para o cinema brasileiro. Vi e gostei muitissimo do filme Paixao e Guerra no Sertão de Canudos, Abdias do Nascimento e Quilombos da Bahia de Antonio Olavo. Parabens à Bahia por tão fantásticos documentários!

  5. Hd Junior disse:

    Realmente um acervo da melhor qualidade, a memória do cinema baiano muito bem resgatada, parabéns Jorge Alfredo!

  6. Fabíola disse:

    olá, espero que possa contemplar nossa produção neste importante e necessário site. bjo e bom trabalho,

  7. Fred Vaccarezza disse:

    Onde eu consigo locar ou comprar esses filmes do cinema baiano?

  8. Muito bom meu caro seu olhar nessa página 100% bainíssima! Beijo de seu sobrinho, Maurício!

  9. Amanda Aouad disse:

    Falto assistir: Cuica de Santo Amaro, Antonio Conselheiro, Pau Brasil e
    Cascalho. Os demais tive a oportunidade de conferir, acompanhar e fazer cobertura.

    Vida longa ao cinema baiano.

  10. carlos verçosa disse:

    cahiers du cinéma bahiano bombando

    parabéns

  11. Jorge, muito bom o seu blog.
    Recentemente postei sobre o cinema baiano no meu blog. Dê uma olhada.
    Cumprimentos cinéfilos!

    http://ofalcaomaltes.blogspot.com.br/2012/01/o-admiravel-cinema-baiano.html

  12. Marco Antonio Queiroz disse:

    Ainda não assisti a Cuica de S. Amaro, Bahêa Minha Porra, Antonio Conselheiro, Trampolim do Forte, Pau Brasil, Cidade das Mulheres, Esses Moços e Cascalho. Tô devendo mais da metade!
    Dos que eu assisti, gosto demais de Eu Me Lembro, Os Filhos de João e morro de saudade de Samba Riachão. Sendo um amador da música, considero Samba Riachão o melhor, ou, pelo menos, um dos melhores documentários já realidados no Brasil, sobre o tema. No mesmo quilo, só o sobre Vinícius, que eu me lembre.

  13. André Setaro disse:

    Uma contribuição importante, esta página, à memória do cinema baiano.

  14. Jorge Alfredo disse:

    OBS: essa página da Mostra está ainda em construção.
    jorge alfredo

Deixe um comentário