caderno-de-cinema

Home » Entrevistas » O Amarcord pernambucano

 

 

Sangue azul

 

por Ernesto Barros

 

O cineastas pernambucano Lírio Ferreira, 49 anos, apresentou Sangue azul, seu novo longa-metragem, no Paulínia Film Festival, do qual saiu com dois troféus Menina de Ouro: Melhor Fotografia (Mauro Pinheiro Jr) e Figurino (Juliana Prhyston). Filmado em Fernando de Noronha, o filme segue o reencontro entre um homem-bala Zola (ou Pedro ) e sua irmã, a mergulhadora Raquel, que foram separados na infância pela mãe. Grande sucesso no festival, o filme se destacou pela trama inusitada, as belas paisagens da ilha e um forte componente sexual. Nesta entrevista, Lírio fala do estado das relações amorosas no mundo contemporâno e da caretice do cinema atual.

436bec63c8969196bc56589d186afe2c

 JORNAL DO COMMERCIO – Sangue azul remete tanto a cor do mar quanto aos membros da realeza. No filme, os personagens Raquel e Pedro são separados desde cedo em função de um medo ancestral de que irmãos não podem se amar. Como você chegou a essa história?

 LÍRIO FERREIRA – Acho que há uma corrente do cinema contemporâneo que aponta a impossibilidade do amor. Você encontra isso no cinema pernambucano, por exemplo, em Era uma vez eu, Verônicca, de Marcelo Gomes, e nos filmes do chinês Wong Kar-Wai. E isso era coisa que também me atormentava. Na realeza, as pessoas de uma mesma família se casavam para não passar o poder. Só que em certas ilhas, principalmente as mais remotas, isso acontece muito, como em  Fernando Noronha, onde primos se casam com primas. E o circo também tem muito disso, porque o circo é uma ilha que se move. Também aqui, as famílias são constituídas de maneira parecida e os circos levam nomes como Orfei e Garcia, por exemplo. Ao mesmo tempo, o grande sangue azul é o mar e Yemanjá. Mas, para mim, o cúmulo da incapacidade de amar seria a relação entre dois irmãos. Sangue azul nasceu da perspectiva entre a mitologia e macumba.

JC – Como se deu o seu conhecimento da vivência numa ilha e no mundo do circo?

LÍRIO – Dentro de uma perspeciva geográfica, nasceu da minha esperiência de nascer e viver no Recife. Vários bairros da cidade são ilhas, como o Recife Antigo, a Ilha do Retiro e a Ilha do Leite, onde eu moro. O que retrato no filme é o que vi nos espetáculos dos circos Orlando Orfei, Garcia e Nerino. E o que me marcou foram os números que não requeriam tanta habilidade, como os trapezistas. O personagem principal do filme, que faz parte do circo Netuno, é um homem-bala – um número de coragem, e não de habilidade. Ele entra no canhão é catapultado. Isso faz parte dos circos da minha infância. Eu lembro do homem-bala passando de um lado para o outro na minha frente. Antes de olhar para o futuro, eu sempre gosto de dar dois passos para o passado. Talvez o circo seja o meu Amarcord pernambucano.

JC – A primeira sequência de Sangue azul, em que os membros do circo levantam a lona, é embalado por uma melodia digna dos filmes de Fellini.

LÍRIO –  Tem uma homenagem direta a Fellini por meio do personagem Inox, vivido por Milhem Cortaz, que parece ter saído de A estrada da vida. Trata-se de um filme circense com Anthony Quinn e Giulietta Masina. O circo entra no filme como uma metáfora do cinema, que faz parte da minha maneira de pensar e que talvez não exista mais. Seria óbvio fazer um filme sobre o cinema. Pegar um circo, que pode não existir no futuro, foi a minha maneira de falar do cinema.

JC – Sangue azul está bastante conectado com Árido movie, seu penúltimo filme de ficção. Há um estrutura semelhante e o tema de um personagem que retorna para seu lugar de origem.

LÍRIO – Talvez eu esteja fazendo sempre o mesmo filme, mas de maneira diferente. Eu faço cinema porque tenho muitas dúvidas. Por exemplo, eu jamais faria um documentário como os de Michael Moore. O que me interessa é que o filme suscite debates e as mais diversas leituras, em que eu também saia aprendendo. Como faço tudo muito intuitivo, às vezes as respostas que recebo fazem parte dessa provocação. Isso é mais interessante do ter que certezas. Eu gosto mais de fazer perguntas do que de respondê-las. Eu me sentiria melhor no seu lugar, por exemplo. Você sabe, estudei jornalismo.

JC – Ao contrário de muitos filmes recentes, inclusive os brasileiros, Sangue azul tem um lado sexual muito forte. Como você analisa isso?

LÍRIO – Talvez boa parte do cinema contemporâneo tenha uma certa caretice mesmo, essa coisa do politicamente correto. Quando eu convidei a designer Carla Sarmento para fazer o cartaz, ela disse que queria fazer algo parecido com as artes dos anos 1970, tipo Blaxpotation. Então, o cartaz tem cenas do fundo do mar e de Daniel Oliveria, o personagem do filme, fazendo sexo. Pense bem, qual o cartaz de filme brasileiro tem cenas de sexo hoje? É, o filme tem várias cenas sexo, entre homem e mulher, homem com homem, ménage à trois, uma verdadeira suruba.  Não sei ao certo, mas talvez isso tenha a ver com essa imposibilidade de amar, um certo desequilíbrio com o sexo.

JC – O filme traz vários atores conhecidos, mas um dos principais destaques é a desconhecida atriz cubana Laura Ramos, que faz uma rumbeira. Como você a conheceu?

LÍRIO – Passou uma menina na minha frente eu olho!!! Há 14 anos, eu estava no Festival de Gramado e passou aquela cubana linda. Eu deixei de ver um filme e fiquei completamente apaixonado. Só que passaram 12 anos para a gente trabalhar junto. Quando teve essa coisa do circo, da rumbeira, pensei nas mulheres voluptuosas da minha infância, que não têm nada a ver com as mulheres magrinhas de hoje, com seios generosos e coxas largas. Para mim, as mulheres dos circos eram as mais bonitas do mundo. Além de todos esses atributos físicos e de ser uma atriz maravilhosa, Laura é cubana e tem o sotaque. Como ela também vem de uma ilha, esse complemento foi perfeito até para o tema dela no filme, Teorema! O filme tem aquelas coisas descosturadas que, olhadas com carinho, tem uma certa costura. Ela é a personagem que tem a maior certeza sobre o amor em todo o filme.

JC – Recentemente, houve muita polêmica com o filme Praia do futuro por causa das cenas de sexo entre Wagner e um ator alemão. Você teme que possa acontecer o mesmo com Sangue azul, já que o personagem de de Milhem Cortaz, também um policial em Tropa de elite, é visto sendo sodomizado por um ilhéu (o ator Rômulo Braga)?

LÍRIO – O homossexualismo no cinema brasileiro é permitido até certo ponto. No segundo Tropa de elite, Iranhdir faz um cara dos direitos direiros. Por isso, em Tatuagem, ele pode ser gay em cenas lindas e fortíssimas, até do que as de Praia do futuro. Mas os caras que fizeram o Capitão Nascimento (Wagner Moura) e o Capitão Fábio (Milhem Cortaz), dois policiais, são proibidos de dar. Há um falso moralismo absurdo nisso. Eu não vi ninguém reclamar das cenas de sexo gay de Tatuagem.

Deixe um comentário