caderno-de-cinema

Home » Artigos » Seu Guima, retornou!

 

por Dica Moreira

Conheci o Jorge Alfredo num contexto bem curioso.
Resumindo essa história.
O que era para ser uma simples chamada de 15 segundos de um anúncio da apresentação do Tom Zé na sua cidade natal, Irará, ou seja, uma câmera, um take e pronto, se tornou um documentário com 78 minutos de duração.
Dito isso, tenho certeza que vocês já optaram por eu resumir esse primeiro encontro.
Mas tenho que falar um pouco dessa gravação.
Bem, o Jorge começou a citar uns pontos curiosos sobre a vida, carreira e de forma técnica, a música do Tom Zé.
E a cada estímulo de Jorge, o Tom Zé dissertava sem parar e o Jorge escutava, escutava e escutava.
Eu, sem conhecer o Jorge pessoalmente, fiquei admirado em ver tanto conhecimento musical e ao mesmo tempo, tanto domínio em provocar o Tom Zé a se expressar de forma tão descontraída.
O Tom Zé estava a vontade.
Foi aí que me deu uma vontade de perguntar ao Jorge, onde ele estava esse tempo todo, onde ele está?
O Jorge era bastante popular.
Eu tinha uma referência de Jorge, por ser um dos precursores da música carnavalesca baiana contemporânea, a Axé Music, vinda do disco Bahia Jamaica, cujo sucesso deixa para festival MPB e o Velho Guerreiro falarem por mim.
Mas não tinha intimidade para tanto. São coisas da vida.
E a vida nos aproximou e passei a “escutar” o Jorge.
Tornei-me um privilegiado em ouvir as suas histórias, suas fotos, registros, letras e composições inéditas para muitos e curtir sua virtuosa capacidade musical.
Ainda terei um privilégio maior.
Deixar registrado e contar a sua história… “Seu Guima – Virtuoso Quereres”.
Como eu citei, sou um privilegiado, pois nesse retorno, acompanhei cada passo do processo criativo, desde os quereres até os fazeres.
Agora, é ter o privilégio de curtir e ouvir boas músicas e letras com raízes do recôncavo baiano. Parabéns, Seu Guima, com essa nova etapa, vou ter que acrescentar mais algumas páginas do guião.

 

Assistam e curtam a nova música de Jorge Alfredo, Suave Distopia.

Deixe um comentário