caderno-de-cinema

Home » Artigos » Sol sobre a lama

 

 

por André Setaro

João Palma Neto, antigo feirante da Água de Meninos, sindicalista, marinheiro de longo curso, quando vê A grande feira (1961), de Roberto Pires, não gosta da maneira pela qual o filme aborda a questão da gigantesca feira e decide bancar um outro filme como resposta ou réplica. Com o dinheiro de sua poupança (naquela época não há a famigerada captação de recursos), alia-se a Walter Fernandes e Álvaro Queiroz para a produção de Sol sobre a lama. Com eles, funda a Guapira Filmes (Schindller se associa a Iglú, empresa que também faz um cine-jornal, A Bahia na Tela, para poder realizar os filmes da Escola Baiana de Cinema e há o surgimento, nesta época, de outras empresas – mas assunto para outro tópico). Corre o ano de 1962 e a idéia de Palma é que a fita seja colorida, e com recursos mais sofisticados. Escreve a história, baseada em suas experiências (diz-se que o personagem Valente, interpretado por Geraldo D’El Rey é ele próprio), e confia o roteiro ao carioca Alinor Azevedo (que tem a assinatura nos roteiros de alguns excelentes filmes como Assalto ao trem pagador, e Cidade ameaçada, ambos de Roberto Farias, Um ramo para Luísa, de J.B.Tanko, entre outros.) Alinor faz os creenplay de Sol sobre a lama com outro talentoso roteirista, Miguel Torres, que o cinema brasileiro perde, pois morre num desastre automobilístico. Ambicioso, pretensioso, João Palma Neto quer fazer o filme definitivo sobre a Feira de Água de Meninos (que, como numa premonição, é incendiada, um verdadeiro inferno na baixada, em 1964, e seus feirantes se mudam para a Feira de São Joaquim, acanhada, a princípio, embora hoje imensa.). Não vê, Palma Neto, nenhum diretor em Salvador capaz de desenvolver as imagens em movimento pré-visualizadas no roteiro de Alinor e Miguel. Também, neste ano, Roberto Pires está a lançar Tocaia no asfalto, e Glauber Rocha está já no Rio, a lançar o Cinema Novo e a preparar a produção de Deus e o diabo na terra do sol.Palma chama o conceituado crítico carioca, e também cineasta (Rua sem sol, Agulha no palheiro) mediano, Alex Viany, que é, nos anos 40, correspondente da revista O Cruzeiro em Hollywood. De volta ao Brasil, adere de corpo e alma ao cinema nacional, a fazer filmes e a escrever nas páginas dos jornais. Um crítico, inclusive, chega a taxá-lo de “inimigo número 1 do cinema made in Hollywood“, apesar de, nesta meca, ter permanecido por muito tempo a gozar de suas delícias.A maior obra de Alex Viany é, sem dúvida, a sua extenuante pesquisa que se transforma, em 1959, no livro Introdução ao Cinema Brasileiro, editado pelo Instituto Nacional do Livro (várias vezes reeditada, uma delas pela Alhambra). Mas como cineasta, apesar de Rua sem sol e Agulha no palheiro estejam sob a influência do neorrealismo italiano, possuindo um certo pioneirismo na abordagem da problemática social brasileira, é fraco, não sustenta bem uma narrativa. O fiasco total, e canto de cisne desesperado, está, muitos anos depois, em A noiva da cidade, cujo roteiro original é de autoria de Humberto Mauro. O filme, no entanto, um anti-musical, é indefensável.Palma vê Rua sem sol e Agulha no palheiro e acha que Alex Viany é o realizador ideal para o desenvolvimento imagético de Sol sobre a lama. Quando chega a Salvador, Viany, homem genioso, está fascinado pelo cinema japonês, e tenta, no comando direcional, dar um tom nipônico do ponto de vista cinematográfico à baianidade que se requer de Sol sobre a lama. Realizado em 1963, mas somente lançado (em noite de festa) em novembro de 1964 no cine Guarany, o resultado final, contudo, não agrada Palma. A briga com Viany acaba na Justiça. Assim, há duas versões de Sol sobre a lama. A versão do diretor e a versão do produtor.

FB_0559_001

O argumento gira em torno da tentativa feita por burgueses gananciosos para acabar com a Feira de Água de Meninos. A complicar a situação, e, com isso, apressar o fim da feira, uma draga fecha o seu ancoradouro, a impedir qualquer abastecimento. Os feirantes, desesperados, lutam pela abertura do ancoradouro para fazer voltar o abastecimento. Dois líderes se apresentam para solucionar o problema. Um açougueiro (Roberto Ferreira/Zé Coió, em grande interpretação) propõe a ação violenta (uma espécie de Chico Diabo de A grande feira) dos feirantes para que invadam, na raça, o ancoradouro, reabrindo-o. Outro líder, no entanto, Valente (Geraldo D’El Rey, Rony, o marinheiro sueco de A grande feira, e o Manoel de Deus e o diabo na terra do sol), que vende material de construção, é a favor de acertos conciliatórios com poderosos políticos e a uma campanha na imprensa local em favor da volta à normalidade. Uma ação, portanto, junto aos poderes constituídos para a resolução do conflito.

Jean-Claude Bernardet, em seu clássico estudo sociológico sobre cinema brasileiro intitulado Brasil em tempo de cinema, ensaio que procura entender a sociedade através de alguns filmes nacionais representativos, dá importância na sua análise a Sol sobre a lama e escreve: “Em vez de malhado superficialmente, o filme deveria ter sido discutido mais abertamente, pois condensa toda uma tática errada, premissas sociológicas falsas e idealistas que caracterizam um longo período da vida da sociedade brasileira. Sol sobre a lama pode ser considerado como um dos mais significativos testemunhos de toda uma política que fracassou.”

A fotografia é de Ruy Santos (que dois anos depois viria filmar, em Buraquinho, praia perto de Itapoã,Onde a terra começa, baseado em conto de Máximo Gorki, com Irmã Alvarez). No cast, Othon Bastos, Geraldo D’El Rey, Roberto Ferreira, Dilma Cunha, Milton Gaúcho, Gessy Gesse, Maria Lígia, Alair Liguori, Carlos Lima, Garibaldo Matos, Doris Monteiro (a cantora que trabalha com Viany em Agulha no palheiro e, na certa, chamada por ele), Jurema Penna, Carlos Petrovich, Antonio Pitanga, Tereza Racquel, Glauce Rocha, Lídio Silva. Com música de Pixinguinha e Vinicius de Morais. O teatrólogo João Augusto funciona como diretor da segunda unidade.

1008_Cartaz sol sobre a Lama.restauro
Longa-metragem, Sonoro, Ficção
Material original: 35mm, cor, 90′, 3.180m. 24q, Eastmancolor
Origem: Salvador (BA)
Estréia: 24/10/1963, Salvador (Cine Guarany)
Direção: Alex Viany
Assistente de direção: João Augusto, Adilso
Companhia(s) produtora(s): Guapira Filmes Ltda.
Produção: Álvaro Queiroz, João Palma Neto
Direção de produção: Carlos Lima, Célio Gonçalves
Pré-produção: Oswaldo Everton, Edivaldo Pinto
Argumento: João Palma Neto
Roteiro: Alex Viany, Miguel Torres
Direção de fotografia : Ruy Santos
Assistente de câmera: José Airton
Chefe de elétrica : Luís Carlos Campos
Fotografia de cena: Álvaro Queiroz, Pedro de Moraes, Criderval Orleans
Cenografia : Moura Monteiro
Carpinteiro(s): Lídio Silva
Equipe técnica: Messias Gomes, Waldomiro Lima, José João, Antonio Leal, Rosalvo de Jesus,
Roberto Bernardes, Cirolando Breno
Desenhos: Jorge Bastos
Consultoria de montagem: Oswaldo Kemeny
Música: Pixinguinha, Vinícius de Morais
Mixagem: Ernest Hach, Paul Manni, Antento Vitale
Elenco: Glauce Rocha (Pureza)
Geraldo Del Rey (Valente)
Gessy Gesse (Jurami)
Antonio Sampaio (Bom Rojão)
Roberto Ferreira (Vadu)
Milton Gaúcho (João Costeleta)
Othon Bastos (Moreno)
Lídio Silva (Mestre Manuel)
Maria Lígia (Maria Rita)
Dilma Cunha (Terezinha)
Carlos Petrovich (Babau)
Garibaldo Matos (Ioiô)José Costa Junior, Antonio Miranda, Wilson Melo, Ernesto Alves, Antonio Pinto.Participação Especial: Jurema Penna, Tereza Raquel, Almir Mesquita, Artur de Mesquita, Reinaldo Nascimento, Domingos Paiol, Armando Sá, Eduardo Torres, Augusto Colono, Carlos Lacerda, Alair Leguori, Adilson Lima, Emilio Lisboa Filho, Carminha Mendonça, Maria Orquídea Costa, Ramiro Mascarenha, Everaldo Moraes, Louis Nohl, Everaldo Santana, Newton Spínola, José Walter, Marco Antonio, Walter Beduíno, José Brito, Roberto Dias, Maria Ferreira, João Gama, Macena Marcos.

Deixe um comentário